Publicidade

Estado de Minas

Ao contrário de Bolsonaro, Pazuello diz que tomará vacina oportunamente

Em entrevista ao SBT News, Pazuello afirmou que a vacina é peça fundamental para o controle da infecção


18/12/2020 21:08 - atualizado 18/12/2020 21:15

Ao responder se tomaria as doses, o ministro acenou positivamente(foto: Evaristo Sá/AFP)
Ao responder se tomaria as doses, o ministro acenou positivamente (foto: Evaristo Sá/AFP)
O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, afirmou, nesta sexta-feira (18/12), que irá tomar a vacina contra a covid-19. Ele já contraiu a doença, mas vai seguir a recomendação dos próprios técnicos e tomar as doses necessárias quando chegar a vez, respeitando a lista de prioridades. A decisão vai de encontro à declaração do presidente Jair Bolsonaro, que acredita não precisar da vacina por já ter sido infectado pelo vírus.
 
"Ô imbecil, ô idiota. Eu já tive o vírus e eu já tenho os anticorpos. Para que tomar vacina de novo?", disse Bolsonaro durante solenidade do governo federal em Porto Seguro, nessa quinta (17).
 
Em entrevista ao SBT News, Pazuello afirmou que a vacina é peça fundamental para o controle da infecção. "É por isso que a gente trabalha nela nessa direção o tempo todo", disse. Ao responder se tomaria as doses, o ministro acenou positivamente, completando que assim faria "quando chegar o meu momento".
 
Afirmou, ainda, que não faria distinção entre as marcas de imunizantes, "desde que registrados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)". No entanto, ponderou que, caso a ciência mostre que determinada produção age com mais eficácia em segurança em determinados públicos, esta é uma questão a ser considerada.

STF

Pazuello ainda comentou sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em autorizar a aplicação de medidas restritivas para brasileiros que se recusarem a tomar a vacina. "Vejo com muita naturalidade, porque já estava previsto por lei. Só está sendo ratificada e define que o Ministério Saúde ainda vai dizer... Cabe a nós, em princípio, colocar quais serão essas restrições, e onde seria restrito uma pessoa que não tem vacina ir. São cláusulas que já acontecem naturalmente".
 
Já o presidente Bolsonaro, ao receber a notícia, protestou. "Pode ser uma medida inócua do Supremo. Com todo respeito ao STF, entrou numa bola dividida, não precisava disso", criticou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade