Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Segunda onda: Pazuello terá que explicar se governo está preparado

O líder da minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), protocolou pedido de informações para que o ministro da Saúde explique as medidas adotadas para o enfrentamento da segunda onda do novo coronavírus no país. Previsão é de novo pico em dezembro


25/11/2020 17:13 - atualizado 25/11/2020 17:18

Eduardo Pazuello(foto: Agência Brasil/Reprodução)
Eduardo Pazuello (foto: Agência Brasil/Reprodução)
Líder da minoria na Câmara, o deputado José Guimarães (PT-CE) protocolou um pedido de informações ao ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, para que o militar explique as medidas adotadas para o enfrentamento da segunda onda do novo coronavírus no país. O parlamentar lembrou que mais de 167 mil brasileiros já morreram por conta da pandemia, e que há sinais de aumento de infectados em várias regiões do país, indicando a chegada de uma nova onda de casos.

O documento contém 10 perguntas que deverão ser respondidas pelo Ministério da Saúde. Entre os questionamentos estão se o governo está monitorando para prevenir e prever uma segunda onda, como o ministério avalia a potencialidade de uma segunda onda da doença no Brasil, quais serão os protocolos do SUS em caso de segunda onda, se há previsão de lockdown nacional, e qual o plano de manejo de pacientes.

"Desde o final do mês de outubro, a Europa teve uma elevação exponencial do número de casos da covid, o que levou muitos países a tomarem medidas variadas de combate à transmissão do vírus, tais como, confinamento, fechamento de bares, restaurantes, cinemas e academias, restrição de mobilidade interregional etc", elencou o deputado, que também lembrou que existem países na Ásia enfrentando uma terceira onda.

Preparo

Para Guimarães, se a pandemia seguir ritmo semelhante ao da primeira onda, em dezembro, o Brasil estará no auge de uma nova alta de contaminações, e o governo deveria estar melhor preparado para encarar um novo pico e "evitar a perda de vidas humanas".

"Importante ressaltar que a vida é o primeiro dos direitos humanos e para garanti-lo não basta que o Estado se abstenha de ameaçar a vida dos cidadãos, mas requer ações positivas do Estado para garantir e efetivar o direito à vida. Por esta razão, submetemos à apreciação da Mesa Diretora da Casa dos representante do povo brasileiro este requerimento de informações, que esperamos seja aprovado para que o Ministério da Saúde esclareça as medidas de enfrentamento da segunda onda da covid-19", argumentou o líder no requerimento.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade