UAI
Publicidade

Estado de Minas Preconceito na política

Deputada do Psol é a primeira mulher a assumir presidência do Legislativo em Minas

Andréia de Jesus conduz sessão legislativa que marca a presença inédita das representantes do eleitorado na Mesa Diretora da Casa, com modelo patriarcal. Ela também venceu a restrição à cor negra da pele


11/10/2020 04:00 - atualizado 11/10/2020 07:22

Andréia de Jesus é uma entre apenas três deputadas negras na Assembleia Legislativa, onde há só 10 mulheres eleitas(foto: Sarah Torres/Divulgação ALMG)
Andréia de Jesus é uma entre apenas três deputadas negras na Assembleia Legislativa, onde há só 10 mulheres eleitas (foto: Sarah Torres/Divulgação ALMG)

No ano em que Minas Gerais celebra o tricentenário de sua autonomia política e administrativa, uma mulher negra – a deputada estadual Andréia de Jesus, do Psol – ocupa, pela primeira vez na história, o cargo de presidente do Legislativo estadual. O fato ocorreu na sessão plenária da quinta-feira (8). “Fiquei emocionada, sim. Afinal, estamos falando de 300 anos de Minas Gerais e de uma mulher negra à frente da Assembleia Legislativa (ALMG), mesmo que em uma única sessão.”

 

“É um marco na nossa história, uma vitória”, afirmou a parlamentar nascida na capital, moradora de Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, presidente da Comissão de Mulheres e copresidente da Comissão de Direitos Humanos da ALMG.

 

Na manhã da quinta-feira passada, Andréia de Jesus presidiu a audiência pública na reunião da Comissão de Direitos Humanos que tratou sobre visitas no sistema prisional público, e, à tarde, foi a vez da sessão ordinária, sem pauta específica. Ela explicou a chegada à presidência da Casa: “Devido à pandemia do novo coronavírus, há muitas restrições à participação dos deputados, e boa parte da Mesa Diretora, pela idade, se encontra em situação de risco, portanto, em casa. Eu estava presente, então, presidi a sessão.”

 

Católica e devota de Nossa Senhora Aparecida – “vamos soltar foguete ao meio-dia de segunda-feira” (data em que a santa padroeira do Brasil é celebrada), ela ressalta sobre a tradição de se homenagear a padroeira do Brasil em 12 de outubro. Andréia de Jesus tem 42 anos, está em seu primeiro mandato, nunca tendo concorrido antes a cargo eletivo. Formada em direito e divorciada, tem um filho de 22, “um jovem negro estudante de direito”, conforme ressalta.

 

Caminho de lutas Até a deputada do Psol comandar a sessão de quinta-feira passada foram muitos anos de estudo, trabalho, dificuldades, lutas e, principalmente, amor pelas causas sociais, em três frentes: violência contra as mulheres, direito a moradia e sistema prisional, “que penaliza em especial a juventude negra”. Na tarde de ontem, a parlamentar disse que, no primeiro aspecto, as mulheres são alvo de violência “por falta de renda, trabalho e ausência do Estado com políticas públicas”.

 

"Isso precisa mudar (a falta de participação das mulheres no comando do Legislativo mineiro). Rompemos, agora, com uma longa trajetória na nossa história"

Andréia de Jesus, deputada estadual e uma de apenas 10 parlamentares negras na Assembleia Legislativa

Lembrando que na ALMG há 10 mulheres, das quais apenas três parlamentares negras, Andréia criticou o modelo patriarcal que impera e ainda não pôs em definitivo uma mulher na Mesa Diretora. “Isso precisa mudar. Rompemos, agora, com uma longa trajetória na nossa história.” Ela espera ver em votação, novamente, o projeto da petista Marília Campos, que foi arquivado, para alterar o Regimento da Casa e permitir mulheres na Mesa Diretora.

 

Sobre o direito a moradia, Andréia de Jesus lembrou a existência de muitos espaços urbanos vazios, nessa condição, por “falta de políticas de incentivo”. Antes de ingressar na vida pública, ela integrou as Brigadas Populares, coletivo em prol de moradias, muitas vezes em áreas de conflito. Entre suas prioridades, e uma das suas causas mais aguerridas, está a denúncia contra o sistema prisional, “que encarcera a juventude negra”. Na sua avaliação, há um “apartheid social”, o que significa um permanente desafio econômico e cultural.

 

 

Analfabetos


Filha de analfabetos, ela conta que o pai começou a trabalhar muito cedo, “numa padaria, aos 12 anos." A família morou na Região de Venda Nova, e, logo que se casou, Andréia de Jesus se mudou para Ribeirão das Neves. Na cidade, com amigos, montou um curso pré-vestibular comunitário, que deu, segundo ela, “oportunidade a muitos jovens de entrar para a faculdade”. Ela estudou direito no Instituto Metodista Izabela Hendrix, em BH, valendo-se da bolsa do Programa Universidade para Todos (Prouni), do governo federal, e do sistema de cotas. Antes de se eleger, Andréia de Jesus foi assessora da atual deputada federal Áurea Carolina (Psol).

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade