Publicidade

Estado de Minas INQUÉRITO

Fake news: Alvos de investigação respondem por 12% das interações da direita no Twitter

Levantamento foi feito pela Diretoria de Análises de Políticas Públicas (DAPP), da FGV


postado em 29/05/2020 19:05 / atualizado em 29/05/2020 19:37

(foto: Reprodução/Agência Brasil)
(foto: Reprodução/Agência Brasil)
Dezessete dos perfis que foram alvos da investigação da Polícia Federal na operação do inquérito das fake news da última quarta-feira (27) são responsáveis por 12% das interações da base da direita no Twitter. O levantamento foi feito pela Diretoria de Análises de Políticas Públicas (DAPP), da FGV. A informação é da Folha de S.Paulo.
 
Fazem parte desta lista os empresários Luciano Hang (Havan) e Edgar Corona (Smart Fit), além do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), os parlamentares Carla Zambelli (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF), e os três novos sob monitoramento a pedido do ministro Alexandre de Moraes: @bolsoneas, @patriotas e @taoquei1.
 
A Polícia Federal cumpriu 29 mandados de busca e apreensão na quarta-feira. O inquérito das fake news apura ofensas, ataques e ameaças contra ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Políticos, empresários e ativistas bolsonaristas estão entre os alvos da investigação.

Vale relembrar que uma das ativistas que teve o computador, celular e tablet confiscados, conhecida como Sara Winter, fez diversas ofensas ao ministro Alexandre de Moraes. Em um vídeo de cerca de 30 minutos publicado no Youtube, a jovem de 27 anos chama o magistrado de “arrombado” e diz que descobrirá tudo sobre a vida dele, incluindo lugares onde frequenta e o nome de funcionários que trabalham na residência dele.
 
* Estagiaria sob supervisão da editora Liliane Corrêa

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade