Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Rodrigo Maia não quer ser 'instrumento de disputa' entre governo e estados

Presidente da Câmara dos Deputados reafirmou o desejo de ajudar os estados durante a pandemia do novo coronavírus


postado em 09/04/2020 17:20 / atualizado em 09/04/2020 16:41

Rodrigo Maia negou que auxílios à Estado vai custar R$ 180 bilhões à União (foto: Fábio Rodrigues/Agência Câmara)
Rodrigo Maia negou que auxílios à Estado vai custar R$ 180 bilhões à União (foto: Fábio Rodrigues/Agência Câmara)
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira, que não está disposto a ser instrumento de disputa entre o Governo Federal e os estados.
  
“Nós não estamos dispostos a ser instrumento de um falso debate. Nós não somos instrumentos desse conflito que existe entre governo federal e os governadores. O que queremos é que todos os governadores tenham condições de enfrentar essa pandemia do ponto de vista da saúde pública, da economia e da área social”, disse. 
 
O governo e o Congresso articulam, com respaldo de Rodrigo Maia, um pacote de alívio financeiro a curto prazo para ajudar municípios e Estados em meio à crise. O Ministério da Economia estima que o plano vai custar R$180 bilhões à União, valor negado pelo Presidente da Câmara. 
 
“Aceitar números e valores que não existem não faz nenhum sentido. Não são R$ 180 bilhões e nem R$ 100 bilhões do Orçamento”, completou. 
 
O novo projeto deverá prever a suspensão de dívidas, linhas de financiamento para os estados, novos limites de endividamento neste ano e o adiamento do prazo para pagamentos de pessoas físicas ou empresas por decisão judicial. 
 
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade