Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Brasileiros se preocupam mais com saúde do que com economia e crêem que Bolsonaro faz o contrário

Paraná Pesquisas abordou 2.372 pessoas sobre o comportamento do presidente em meio à pandemia


postado em 08/04/2020 07:42 / atualizado em 08/04/2020 09:56

Maioria da população vê presidente mais focado na economia do que com a saúde(foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Maioria da população vê presidente mais focado na economia do que com a saúde (foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Uma pesquisa de opinião pública apontou que a maioria da população brasileira se preocupa mais com a saúde do que com a situação financeira em meio ao cenário de pandemia do novo coronavírus. O levantamento, da Paraná Pesquisas, também questionou os 2.372 entrevistados sobre o comportamento do presidente da República diante dessa crise. A maior parte vê que Jair Bolsonaro (sem partido) prioriza mais o setor econômico do que a saúde.

O levantamento foi divulgado nesta quarta-feira. 66,9% dos entrevistados se preocupam mais com a saúde do que com as próprias finanças em tempos de pandemia. Já 27,2% pensam o contrário. Outros 5,9% não souberam responder ou não opinaram.

Já em relação ao trabalho do chefe do Governo Federal, os números são mais equilibrados. 58,9% vêem que Bolsonaro está mais focado na crise econômica causada pelo coronavírus do que empenhado na saúde pública. Já 31,3% acreditam que o presidente foca justamente na saúde, ao invés de se preocupar mais com a economia. Outros 9,8% não souberam responder ou não opinaram.

A pesquisa foi feita por meio de questionários online com habitantes do país que tenham 16 anos ou mais e em 26 estados, além do Distrito Federal, o que englobou 208 municípios brasileiros. O levantamento aconteceu entre a segunda-feira e terça-feira desta semana. A margem de erro é de 2%.

De acordo com o mais recente boletim do Ministério da Saúde, divulgado na tarde dessa terça-feira, 667 pessoas morreram de coronavírus no Brasil. Ainda segundo a pasta, o número de casos confirmados da COVID-19 chega a 13,7 mil no país.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade