Publicidade

Estado de Minas

Zema conclui pagamento de 13º de Pimentel e servidores na segunda-feira

O benefício natalino deveria ter sido pago em dezembro do ano passado pelo petista, mas ele deixou a gestão sem quitar o benefício


postado em 18/10/2019 11:23 / atualizado em 18/10/2019 12:06

Pimentel está entre os funcionários que receberão a última parcela do 13º na segunda-feira(foto: Willian Dias/ALMG )
Pimentel está entre os funcionários que receberão a última parcela do 13º na segunda-feira (foto: Willian Dias/ALMG )

Com dez meses de atraso, o governo de Minas conclui, na próxima segunda-feira (21), o pagamento do 13º salário do funcionalismo público estadual que ficou pendente do ano passado. Entre os que vão receber o último depósito está o ex-governador Fernando Pimentel (PT), cujo benefício total é de R$ 10,5 mil brutos.

O valor do 13º do petista constava do contracheque de dezembro do ano passado, mas, da mesma forma que ocorreu com os cerca de 600 mil servidores, não foi pago porque o governo não tinha dinheiro em caixa.

Como o petista não se enquadra nos critérios de categorias que tiveram os depósitos antecipados, ele recebeu em parcelas crescentes definidas pelo sucessor.



Pimentel
recebe o restante do pagamento um ano depois de perder a eleição já no primeiro turno, para os adversários Antonio Anastasia (PSDB) e Romeu Zema (Novo), que seguiram em disputa para a etapa final vencida pelo estreante.

Quitação antecipada


A escala do 13º divulgada pelo governo Zema seria concluída em dezembro, mas foi antecipada com a quitação na segunda-feira. A confirmação de que o débito de 2018 será quitado neste mês foi dada pelo secretário da Fazenda, Gustavo Barbosa, em reunião para prestar contas aos deputados estaduais nessa quinta-feira (17).

O pagamento do 13º  deveria ter sido feito em dezembro do ano passado pelo ex-governador Fernando Pimentel, que não conseguiu ser reeleito para o cargo e deixou a dívida para Romeu Zema. O pagamento foi diferenciado para algumas categorias.

Os primeiros a terem o 13º quitado foram os profissionais da segurança pública, que depois de pressionar o Executivo e fazer protestos na Cidade Administrativa, tiveram a última parcela devida depositada em suas contas em maio.

Em junho, o governo concluiu o pagamento para os funcionários da Secretaria de Fazenda, que até então, era responsável pela folha de pagamento.

No início do mês, o governo informou que pagaria antecipadamente a nona e última parcela do 13º de 2018 “graças à organização do fluxo de caixa e aos esforços deste governo, que busca reequilibrar as contas públicas”.

“Portanto, em vez de ser pago em 11 parcelas, como previsto inicialmente, o 13º não honrado pela gestão anterior será quitado integralmente em nove parcelas para 100% do funcionalismo (ativos, aposentados e pensionistas)”, registrou o governo ao divulgar a escala de pagamento de outubro.

Para não repetir o atraso, Zema aposta na proposta de antecipação de R$ 4,5 bilhões de créditos da exploração do nióbio que enviou à Assembleia Legislativa, junto com projetos do ajuste fiscal. Segundo o governador, se o texto for aprovado, o dinheiro extra permitirá quitar o benefício natalino de uma só vez, em dezembro.


Publicidade