Publicidade

Estado de Minas

Ciro Gomes diz que 'impeachment não é remédio para governo ruim'

Ex-ministro afirmou que é preciso lutar para impor limites a Bolsonaro e o chamou de 'fascista e demente'


postado em 23/08/2019 16:35 / atualizado em 23/08/2019 17:03

Ciro Gomes participou de uma roda de conversas com estudantes(foto: Amanda Quintiliano)
Ciro Gomes participou de uma roda de conversas com estudantes (foto: Amanda Quintiliano)

Mesmo sem poupar críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que concorreu à Presidência da República no ano passado, disse que “impeachment não é remédio para governo ruim”. Ele participou de uma roda de conversas com estudantes da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), em Divinópolis, na manhã desta sexta-feira (23).

Ciro disse que ficar contra o impeachment é proteger o valor do voto e defendeu a aplicação dele apenas em casos de “cometimento de crime de irresponsabilidade doloso”. “Quando ficamos contra o impeachment estamos protegendo à nós mesmos e o valor do voto. Precisamos ajudar o povo a entender que com um voto dado bem, a gente ganha muito, agora, com um voto dado em falso, como esse, a gente vai apanhar o pão que o diabo amassou”, comentou.

Segundo o ex-ministro, o fato de ser contra o impeachment não significa que Bolsonaro “ganhou uma fazenda particular para expor e fazer o que quiser”. “Temos que lutar para dar limites a ele”, enfatizou.


Regra da democracia


Adjetivando o presidente, afirmou que o Congresso Nacional está cumprindo o papel de fazê-lo jogar dentro das regras da democracia. “Já se sabe que ele é um fascista, demente, irresponsável, mas a contenção dele dentro do espaço, da regras do direito democrático, tem sido um jogo jogado com muito brilhantismo pelo Congresso”, afirmou dizendo que cabe aos deputados e senadores “conter danos”.

Entre as falhas de Bolsonaro, o candidato derrotado à presidência citou a demissão do secretário especial de Cultura, Henrique Pires devido a censura ao edital de projetos LGBT. “A agência não pode obedecer a estética do Bolsonaro só porque ele tem problemas graves de armário”, disparou.

Outro problema citado por Ciro, são as declarações e ações do presidente em relação às queimadas na Amazônia que podem resultar, segundo ele, no “boicote” por parte de países europeus.
Privatizações

O ex-ministro também criticou a possibilidade de privatização da Cemig, Codemge/Codemig e a Copasa. “Privatização de transmissão de energia elétrica é uma coisa que você pode, sem exagero, chamar de crime. “Uma coisa é você privatizar a distribuição”, afirmou. Segundo ele, o reflexo pode ser a falta de energia com preços das tarifas que irão “explodir”.

“É imponderável, eu estou apostando, quem quiser que me demonstre o oposto, que os direitos minerários da Codemig valem, provavelmente R$1 trilhão. Se ela for vendida vai ser vendida por balanço e não vai conseguir mais do que R$10 milhões, ou 20 ou 50 milhões”, opinou.

As críticas se estenderam ao governo federal. Mesmo dizendo que privatização não é uma “aberração” como a “esquerda antiga” falava, se posicionou contra a venda da Petrobrás e dos Correios. “Nenhum país que tem reserva de petróleo abundante, como o Brasil, tem empresas privadas (...) Nenhum país do mundo, menos quatro, entrega para o capital estrangeiro seus correios e telégrafos”.

(Amanda Quintiliano, especial para o EM)



 


Publicidade