Publicidade

Estado de Minas

Ciro sobre Doria e Huck: 'Bolsonarismo sem Bolsonaro'

Segundo o presidenciável, eles estiveram grudados com ele e agora querem fingir não ter nada com isso


postado em 22/08/2019 14:55 / atualizado em 22/08/2019 15:13

Ciro Gomes foi aplaudido e tirou fotos com vários estudantes na UFMG(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Ciro Gomes foi aplaudido e tirou fotos com vários estudantes na UFMG (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) chamou de 'farsa', na manhã desta quinta-feira (22), a tentativa do PSDB – articulada pelo governador João Dória – de expulsar o deputado federal Aécio Neves da legenda.  Em Belo Horizonte,  onde fez palestra para alunos da UFMG, o presidenciável afirmou que o governador de São Paulo e o apresentador Luciano Huck, que tem os nomes cotados para concorrer ao Palácio do Planalto em 2022, são o mesmo que o presidente Jair Bolsonaro (PSL), “só que sem patuscadas”.

“É o bolsonarismo sem o Bolsonaro, é o que vem por aí. Bolsonaro é tão idiota e despreparado que eles vão querer aproveitar. Todos estavam agarrados com Bolsonaro”, afirmou Ciro.

O ex-ministro lembrou que Doria adotou o chamado “Bolsodoria” nos últimos dias de campanha e disse que fará questão de lembrar isso ao povo brasileiro se ele for concorrer contra o atual presidente. “Ele ajudou a produzir o Bolsonaro e agora que ele está se desgastando quer fazer de conta que não tem nada com isso”, disse.

Ao falar para estudantes, Ciro disse que Bolsonaro foi mesquinho ao “abrir a caixa-preta do BNDES” para expor o apresentador Luciano Huck, que fez um empréstimo de R$ 17,7 milhões para comprar um jatinho, o “véio da Havan” e outras figuras por compras subsidiadas pelo banco.

Doria e Aécio


Ciro falou especificamente da situação de Doria, que disse que “se tivesse moral não compraria a juro subsidiado um jatinho com dinheiro do BNDES e não receberia milhões de reais do seu próprio partido e dos governos ocupados por seus partidos, tirando disso a sua própria fortuna pessoal”. O ex-ministro se refere aos eventos do grupo Lide, de propriedade de Doria, que ocorrem em estados com patrocínios do poder público.

O presidenciável criticou a tentativa  frustrada de Doria, de expulsar de Aécio do PSDB. Segundo ele, o próprio Doria e outros nomes do PSDB como José Serra, Aloísio Nunes e Geraldo Alckmin também tem processos sem condenação. Portanto, isso não seria motivo para pedir a saída do mineiro que concorreu à presidência em 2014 e quase venceu a ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Candidato a presidente


Cotado para concorrer à presidência em 2022, Ciro Gomes disse que a crise econômica e social vivida pelo país foi produzida “pelo desastre do governo do PT”, mas aprofundada por Bolsonaro.

Afirmou ainda que a esquerda não tem mais espaço no país e que será possível construir um diálogo com a centroesquerda para tirar Bolsonaro do poder. Questionado se concorreria de novo ao Planalto, afirmou que se seu nome for o escolhido teria grande satisfação de servir ao país como presidente.

Durante a palestra para estudantes da UFMG, Ciro foi algumas vezes chamado de 'presidente' pela plateia formada principalmente por universitários, que no fim se juntou em volta dele pedindo fotos. "Vai espalhando que eu gosto, mas agora não", disse.


Questionado sobre o fato de ter apoiado o PT no passado e agora se descolar dele, Ciro disse que, na luta política, as pessoas vale pelo que são e pelo que negam. “Tento há muitos anos produzir um caminho alternativo. Não conseguindo, voto contra o pior. Entre a Dilma e o Aécio, não tenho nenhuma dúvida que hoje de votaria de novo na Dilma. Pode ser que algum brasileiro tenha essa dúvida, eu nunca tive”, disse.

O ex-ministro ressaltou, no entanto, que não aceitou ser ministro no segundo governo de Lula e na gestão de Dilma.


Publicidade