Publicidade

Estado de Minas

PGR nega que exista pressão para afastamento de Deltan Dallagnol

Supremo estuda afastar procurador da Lava-Jato após denúncias de que ele pediu investigação contra o presidente da Corte


postado em 02/08/2019 14:56 / atualizado em 02/08/2019 15:06

Raquel Dodge, procuradora-geral da República(foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Raquel Dodge, procuradora-geral da República (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) negou, nesta sexta-feira (2/8), que a chefe do órgão, Raquel Dodge, esteja sofrendo pressão para afastar o coordenador da força-tarefa da Lava-Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, do cargo ou das ações da operação. 

Diálogos atribuídos a Dallagnol, tornados públicos pelo site The Intercept e pelo jornal Folha de S. Paulo na quinta-feira, indicam que ele estimulou investigações contra o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

De acordo com as reportagens, o procurador pediu a colegas de Brasília que solicitassem dados financeiros de Toffoli e fez perguntas sobre uma reforma na casa do ministro


A divulgação foi seguida de uma série de atos do Supremo Tribunal Federal que foram interpretados como uma reação dos ministros. Luix Fux condeceu liminar proibindo o descarte das evidências colhidas pela Polícia Federal com hackers e Alexandre de Moraes deu 48 horas para que os diálogos aprendidos sejam enviados para o Supremo. Nesta sexta-feira, a Folha de S. Paulo noticiou que, nos bastidores, ministros da Corte pediam a Dodge o afastamento de Dallagnol.


 

PGR responde


 

Em nota, a PGR negou a pressão e disse que o procurador tem a garantia legal de não ser afastado do caso. "A procuradora-Geral da República Raquel Dodge não sofreu qualquer pressão de qualquer tipo para determinar a medida de afastamento referida na matéria, de quem quer que seja, e tampouco convocou, ou realizou reunião de emergência para discutir o assunto na quinta-feira dia 1º ou em qualquer data anterior ou posterior", informou a PGR.

"Mais do que isso, esclarece que o princípio constitucional da inamovibilidade é garantia pessoal do Procurador Deltan Dallagnol, estabelecida no artigo 128-I-b, de não ser afastado dos processos da Lava Jato, dos quais é o promotor natural, na condição de titular do ofício onde tramitam todos os processos deste caso, e junto do qual atuam os demais membros da Força Tarefa Lava-Jato, designados pela Procuradora-Geral da República Raquel Dodge", completou a instituição.


Dodge também negou ter convocado reunião de emergência para discutir o caso, como foi informado pela Folha. "Em suma, a Procuradora-Geral da República não convocou, nem fez reunião na quinta-feira, nem em qualquer outra data anterior ou posterior, com o propósito de afastar o Procurador Deltan Dallagnol de seu ofício ou da Lava Jato", diz um trecho da nota.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade