Publicidade

Estado de Minas

Zema muda de ideia e agora acha que voos são 'imprescindíveis'

O uso das aeronaves do estado era condenado pelo então candidato ao governo pelo Partido Novo e foi motivo de críticas ao estreante na política


postado em 23/04/2019 12:09 / atualizado em 23/04/2019 14:41

Zema voou 16 voos nas aeronaves oficiais do estado e seu vice incluiu a esposa em uma das viagens(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Zema voou 16 voos nas aeronaves oficiais do estado e seu vice incluiu a esposa em uma das viagens (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

Crítico dos voos dos antigos governantes do estado em aeronaves oficiais, o governador Romeu Zema (NOVO) mudou o posicionamento amplamente divulgado durante a campanha eleitoral e colocou, nesta terça-feira (23) o transporte diferenciado como “imprescindível”.

A nova diretriz informada ao Estado de Minas já foi colocada em prática de janeiro a março, quando o governador fez 16 viagens, segundo o Portal da Transparência. Nesse domingo, o vice-governador Paulo Brant (NOVO) também usou um helicóptero para se deslocar de um spa de luxo em Macacos, no distrito de São Sebastião das Águas Claras em Nova Lima, até Ouro Preto.

Questionado pelo EM se continuaria usando os aviões oficiais e se havia mudança na posição que Zema anunciou quando disputava o cargo que hoje ocupa, o governo de Minas informou em nota que “levando em consideração questões de segurança, tempo e mobilidade chegou-se à conclusão de que o governador precisa locomover-se também em aeronaves do Estado”. O Executivo, porém, alegou que o compromisso de acabar com a frota que ficava à disposição dos governantes está sendo cumprido.

“O governador precisa de agilidade para se locomover. Tendo em vista a extensão territorial do Estado, com 853 municípios, e uma agenda de compromissos extensa, conforme as necessidades do Estado, é imprescindível o uso das aeronaves oficiais”, informou o governo, que disse prezar pela economicidade e o respeito ao dinheiro público.

Durante a campanha eleitoral, Zema afirmou que iria acabar com as mordomias dos governantes, entre as quais colocou o transporte feito por aeronaves oficiais. Por diversas vezes, disse que, como empresário rodava o estado todo de carro. Em outra crítica, o agora governador disse que moraria próximo à Cidade Administrativa para não usar helicóptero para trabalhar.

“Em vez de gastar helicóptero, morando no Palácio, vou gastar dois ou três litros por dia de gasolina”, registrou. Já depois de eleito, Zema divulgou vídeo para informar que venderia as aeronaves do governo e acabaria com a farra dos voos e alfinetou o antecessor Pimentel. “Nunca mais Minas vai ser o estado que vai ficar levando governador e seus familiares para compromissos particulares”, disse à época.

Zema usa avião do estado para se deslocar desde o dia 16 de janeiro, quando foi a Brasília para um compromisso oficial. Ao todo, foram 16 voos, sendo que três deles o buscaram ou levaram à sua cidade natal Araxá, no Alto Paranaíba.

O número de viagens feitas por Zema de janeiro a março é um pouco menor do que o de Pimentel no mesmo período. Nos três primeiros meses de governo em 2015, o petista voou 25 vezes.

O vice-governador Paulo Brant, que também esteve em alguns dos voos de Zema, chamou a atenção de hóspedes de um Spa de luxo em Macacos no último domingo (21) por ser buscado, com sua esposa Aléxia, por um helicóptero. Do local em que estavam hospedados, os dois seguiram para a entrega de medalhas da Inconfidência em Ouro Preto.

Em nota, a assessoria do vice-governador Paulo Brant confirmou o uso do voo por ele, a esposa e um ajudante de ordens. O helicóptero os buscou no Espaço Águas Claras. “A justificativa para o uso do helicóptero é o fato do Hotel estar na rota aérea para Ouro Preto onde aconteceu, neste domingo, a Cerimônia de Entrega da Medalha da Inconfidência”, diz a nota.

Confira a íntegra das notas:


Levando em consideração questões de segurança, tempo e mobilidade chegou-se à conclusão de que o governador precisa locomover-se também em aeronaves do Estado. Isso será feito prezando a economicidade e respeitando o dinheiro público.
O Governador precisa de agilidade para se locomover. Tendo em vista a extensão territorial do Estado, com 853 municípios, e uma agenda de compromissos extensa, conforme as necessidades do Estado, é imprescindível o uso das aeronaves oficiais.
O Governador de Minas assumiu o compromisso de acabar com a frota aérea que ficava à disposição dos governantes e está fazendo isso. O Estado já vendeu duas aeronaves e transferiu outras duas para a COMAVE - Comando de Aviação do Estado da Polícia Militar de Minas Gerais.
Respeito, austeridade, transparência, compromisso e responsabilidade com o caixa do Estado são as premissas que norteiam a administração do Governo do Estado de Minas Gerais.

Governo de Minas

Confirmamos a informação do uso do helicóptero para o deslocamento do Sr. Vice-Governador Paulo Brant e sua esposa Alexia Paiva, os quais estavam hospedados no Espaço Águas Claras, em Macacos-MG, neste feriado.
A justificativa para o uso do helicóptero é o fato do Hotel estar na rota aérea para Ouro Preto onde aconteceu, neste domingo, a Cerimônia de Entrega da Medalha da Inconfidência.
Estavam no voo, além do Vice-Governador e Esposa, o Ajudante de Ordens Capitão Alencar.

Vice-governador Paulo Brant


Publicidade