Publicidade

Estado de Minas

Duda Salabert acusa PSOL de transfobia e sai do partido

A primeira candidata travesti a disputar uma vaga no Senado por Minas Gerais disse que a crítica "não é às pessoas, mas à estrutura partidária"


postado em 22/04/2019 11:51 / atualizado em 22/04/2019 12:54

Duda Salabert(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Duda Salabert (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

A professora Duda Salabert, 37 anos, primeira candidata travesti  ao Senado nas eleições do ano passado, anunciou por meio das redes sociais a sua desfiliação do PSOL. Duda ficou em oitavo lugar na disputa que teve 15 candidatos para duas vagas.

"Deixo o PSOL por não concordar com a transfobia estrutural do partido", afirmou a professora.

Duda disse ainda que sua discordância com o partido não se retringe à transfobia. "Enquanto vegana, ambientalista e defensora dos direitos dos animais, não posso aceitar que a luta para difundir o respeito às vidas de todos animais fique em segundo plano", protestou.

Salabert não informou se irá se filiar a outro partido. Disse apenas que continuará sua militância política. "Deixo o partido, mas continuo meu ativismo por uma sociedade mais justa, mais igualitária e mais democrática", escreveu em sua conta no Instagram.

Nota do PSOL


A executiva municipal do Psol divulgou nota comentando a desfiliação de Duda Salabert. Leia abaixo:

"É com tristeza que recebemos o pedido de desfiliação da companheira Duda, que foi nossa candidata ao Senado. Discordamos com os motivos apresentados, nosso partido é, todos os dias, um instrumento de combate a desigualdade, ao racismo, machismo, homofobia e transfobia, em que pese as manifestações estruturais de nossa sociedade, da qual não estamos imunes. Seguiremos, com certeza, na mesma trincheira de oposição ao Bolsonaro.

Reafirmamos o compromisso com o enfrentamento cotidiano a essas práticas. Como já informado internamente, mantemos para o dia 24 de abril às 19h, reunião da setorial LGBTIQA+ do PSOL BH para discutir o caso Indianare."


Perfil


Professora  há 18 anos, Duda é militante e atuante das causas sociais. Ela é uma das idealizadoras da ONG Transvest, projeto artístico e pedagógico para combater a transfobia e incluir travestis, transexuais e transgêneros na sociedade. Recentemente, ela criou também o Coletivo Transformar.

Nas eleições de 2018, Duda obteve 351.874 votos (1,99% dos votos válidos).

Visualizar esta foto no Instagram.

Anuncio minha desfiliação do PSOL. Deixo o partido, mas continuo meu ativismo por uma sociedade mais justa, mais igualitária e mais democrática. Mantenho vivo também o projeto de colocar no protagonismo político as bandeiras da Educação, do Meio Ambiente e da Diversidade. No atual contexto de crise da democracia, entendo que ocupar a política e disputar as eleições não me é uma escolha, mas uma obrigação. Colocar meu corpo político no centro do debate eleitoral é mais do que simbólico: é uma maneira de buscar alargar a democracia, a qual nunca foi sólida no país, sobretudo para o grupo social de que faço parte. Deixo o PSOL por não concordar com a transfobia estrutural do partido. Enquanto mulher transexual, não posso endossar uma estrutura que se apropria da luta e da identidade trans para privilegiar figuras e candidaturas já privilegiadas. Deixo o PSOL por não concordar com a perspectiva antropocêntrica que estrutura o partido. Enquanto vegana, ambientalista e defensora dos direitos dos animais, não posso aceitar que a luta para difundir o respeito às vidas de todos animais fique em segundo plano. Deixo o PSOL também por não concordar com algumas diretrizes internas do partido. Entendo que essa decisão pode surpreender muitas pessoas, mas como escreveu Pompeu, político romano, %u201CNavegar é preciso. Viver é impreciso%u201D. Agradeço de coração a todas correntes e filiados que me receberam e me construíram politicamente nos últimos dois anos. A crítica que resultou na minha desfiliação não é às pessoas, mas à estrutura partidária. Sigamos em luta, não mais na mesma organização, por um mundo sem desigualdades sociais. A utopia segue viva!

Uma publicação compartilhada por Duda Salabert (@duda_salabert) em


Publicidade