Publicidade

Estado de Minas

Para Fernando Henrique Cardoso, governo Bolsonaro abusa da desordem

Ex-presidente fez referência à crise envolvendo o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral) e atacou indiretamente o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente


postado em 16/02/2019 06:00 / atualizado em 16/02/2019 07:30

"Início de governo é desordenado. O atual está abusando. Não dá para familiares porem lenha na fogueira. Problemas sempre há, de sobra. O presidente, a família, os amigos e aliados que os atenuem, sem soprar nas brasas. O fogo depois atinge todos, afeta o país. É tudo a evitar", Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente, em sua conta oficial no Twitter (foto: Henrique Barreto/Futura Press/Estadão Conteúdo)
São Paulo - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que o governo de Jair Bolsonaro está abusando da desorganização desde seu início, há um mês e meio. “Início de governo é desordenado. O atual está abusando”, escreveu o tucano em sua conta no Twitter. Foi a primeira vez que o ex-presidente tucano criticou diretamente a gestão do novo ocupante do Palácio do Planalto.

FHC fez referência à crise envolvendo o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral) e atacou indiretamente o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, que elevou a temperatura do escândalo ao acusar o auxiliar do pai de mentir. A acusação foi feita publicamente, por meio da conta do vereador no Twitter, e compartilhada pelo pai na rede social.

Segundo FHC, a interferência da família do presidente Bolsonaro no governo é um fator de desestabilização que afeta o país como um todo. Para o ex-presidente, “familiares” estão pondo “lenha na fogueira” em vez de se ocupar em debelar as dificuldades. “Não dá para familiares porem lenha na fogueira. Problemas sempre há, de sobra. O presidente, a família, os amigos e aliados que os atenuem, sem soprar nas brasas.”, tuitou.

Pelo Twitter, Carlos desmentiu declarações do ministro Bebianno e ainda publicou um áudio de Jair Bolsonaro no qual o chefe do Executivo dispensa um diálogo com o ministro.

As atitudes dos Bolsonaro têm gerado instabilidade no governo e críticas de parlamentares, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que julgam o imbróglio prejudicial ao andamento da reforma da Previdência, que deve ser levada ao Congresso na próxima semana.

Em seu tuíte, Fernando Henrique também alertou para a possibilidade de a crise se espalhar para além do núcleo do governo, ampliando a sensação de instabilidade. “O fogo depois atinge todos, afeta o país. É tudo a evitar”, concluiu o ex-presidente.


Publicidade