Publicidade

Estado de Minas

ALMG diz que deputado não pode usar gabinete como 'casa'

Parlamentar eleito que toma posse em fevereiro perguntou se poderia instalar um chuveiro e levar uma cama para dormir no trabalho


postado em 15/01/2019 10:27 / atualizado em 18/01/2019 13:05

A Assembleia informou que após as 22h as luzes são desligadas para economia(foto: Juliana Cipriani / EM / D.A. Press)
A Assembleia informou que após as 22h as luzes são desligadas para economia (foto: Juliana Cipriani / EM / D.A. Press)

O deputado estadual eleito Cleitinho Azevedo (PPS) não poderá dormir nem tomar banho na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Essa foi a resposta da Casa a uma consulta feita pelo futuro parlamentar, que toma posse em 1º de fevereiro. Mas se ele desejar, terá direito a verba extra de R$ 4.377,73, disponível a cada um dos 77 deputados, para alugar imóvel em Belo Horizonte.


O pedido inédito para instalar um chuveiro e colocar uma cama no gabinete foi analisado pela equipe técnica do Legislativo, que informou que não há previsão de moradia de parlamentares na Casa. “O horário de funcionamento do Legislativo é das 6 às 22 horas. Após esse horário, por medida de economia, são desligados elevadores e iluminação”, informou a Assembleia.

Ainda de acordo com a assessoria da Casa, se houver solicitação formal para moradia, a decisão caberá à Mesa Diretora. Porém, a instituição adianta que o licenciamento dos prédios da Assembleia é para uso não residencial.

“Qualquer mudança nesse arranjo exigiria novo projeto e novo licenciamento. A legislação permite que o parlamentar peça reembolso da despesa com moradia, caso ele deseje”, informou a Casa.

Cleitinho é vereador em Divinópolis, que fica a cerca de 110 quilômetros, ou cerca de duas horas, de Belo Horizonte. Depois de eleito, ele disse que não pretende usar o auxílio-moradia, adicional pago além dos R$ 25.322,25 de salário.

Outro lugar para dormir


O deputado estadual eleito Cleitinho afirmou que continuará abrindo mão do auxílio-moradia e vai propor que a verba extra seja retirada de todos os parlamentares, assim como o chamado auxílio-paletó, que dá um salário adicional no início e um no fim de cada mandato. “Quando precisar de dormir em BH arrumo um lugar para isso sem problemas e pago com o meu próprio salário”, disse.

O parlamentar afirmou que não propôs morar na Assembleia, apenas perguntou se poderia dormir lá caso precisasse passar uma noite em BH. “O gabinete é muito confortável e não via problema algum em passar a noite, mas se eles não deixam arrumo outro lugar quando precisar”, disse. Cleitinho afirmou que estará em BH para trabalhar e que tem moradia em Divinópolis.

“O importante disso tudo é entender que parlamentares não precisam de auxílio-moradia”, disse. Sobre a verba do paletó que receberá em fevereiro, o deputado disse que doará para a causa animal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade