Publicidade

Estado de Minas

Portal da transparência não permite saber situação financeira, diz coordenador da equipe de Zema

Mateus Simões afirmou que da forma como os dados estão disponibilizados não pra fazer análise das condições reais dos cofres do estado


postado em 13/11/2018 19:09 / atualizado em 13/11/2018 19:39

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

O coordenador da equipe de transição do governo de Romeu Zema (Novo), o vereador licenciado Mateus Simões (Novo) criticou, nesta terça-feira, o Portal da Transparência mantido pela atual gestão para apresentar como estão sendo gastos os recursos do estado. Em mais um encontro entre representantes da atual gestão e da que assumirá o governo de Minas, a partir de janeiro, o manuseio da ferramenta foi tratado.


“É importante dizer que o portal da transparência tem todos os dados apresentados de uma forma que, não necessariamente, permitem a radiografia da situação financeira do estado”, afirmou Simões.


Ainda de acordo com ele, a ferramenta, que é uma exigência da legislação, não permite que os dados sejam analisados de forma correta e, por isso, deixa dúvida se os empenhos estão realmente sendo executados e de que forma.


“Como está a situação de cada um dos contratos? E os empenhos que não foram feitos e que, eventualmente, tenham sido cancelados? Porque é um hábito muito comum no final dos mandatos, os governos pararem de empenhar como se não existisse a dívida para pagar os contratos em andamento”, indagou.


Na terça-feira da semana que vem vence o prazo para que a atual gestão entregue as informações solicitadas pela equipe de Zema.


Simões voltou a destacar a situação “calamitosa” das finanças do estado. Ele estima que o valor do déficit, estimado em R$ 11,4 bilhões, seja bem maior. “O deficit que está apontado não é real, nós temos já identificados problemas de superestimação de receita, de subestimação de despesas, os restos a pagar que estão lançados no orçamento parecem ser muito menores do que os que estamos efetivamente encontrando por conta da interrupção dos empenhos”, declarou.

Críticas 'não são razoavéis'

 

Segundo o controlador-Geral do Estado, Eduardo Martins, as críticas ao portal e como os dados estão sendo disponibilizados “não é razoável”. De acordo com ele, as interações entre a equipe de transição tem sido muito boa e a ferramenta não deve ser usado como única forma de entender a situação financeira do estado.

“Me surpreende essas declarações. Evidentemente, que são dados complexos, mas ele faz conexão com a (secretaria) Fazenda e possível saber todos os gastos”, afirmou.

 Ainda de acordo com o controlador-geral, até a próxima segunda-feira todas as solicitações feitas pela equipe de Zema serão respondidas e o diagnóstico apresentado.

“Foram feitas relatórias de todas as leis orçamentárias e empenhos de 2019. Todos os órgãos vão entregar no prazo o diagnóstico”, declarou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade