Publicidade

Estado de Minas

Coordenador da equipe de transição de Zema apela a poderes para não incorporarem reajuste

Segundo Matheus Simões, é necessário critica por parte dos integrantes de cada poder para evitar que serviços sejam comprometidos com efeito cascata da nova remuneração do STF


postado em 09/11/2018 15:26 / atualizado em 09/11/2018 16:25

(foto: Marcos Evangelista/Seccri)
(foto: Marcos Evangelista/Seccri)

O coordenador da equipe de transição de Romeu Zema (Novo), vereador Mateus Simões classificou de irresponsável a aprovação, por parte do Senado Federal, do aumento de 16% nos salários de ministros do STF, elevando o teto constitucional do funcionalismo público com impacto em cascata em estados e municípios.

“Estados comprometidos financeiramente como Minas Gerais não podem sofrer o impacto cascata. Esperamos responsabilidade de todos os envolvidos para que esses aumentos não sejam repassados”, afirmou ele.


“É importante que os Poderes não avancem na direção de reivindicar para si esses aumentos, porque o Estado não tem condições de absorver aumento de pagamento para servidor, especialmente porque já estamos falando dos servidores mais bem remunerados da estrutura estatal”, acrescentou.


O coordenador fez um apelo aos Poderes para não incorporarem o reajuste. “É um pedido em nome da transição do novo governo do povo mineiro de que os Poderes reajam de forma responsável e não embarquem nesta loucura, nessa irresponsabilidade que foi a alteração do teto constitucional”, afirmou.


As declarações de Mateus Simões aconteceram após a primeira reunião entre equipes de transição de Romeu Zema e do governo Fernando Pimentel, nesta manhã, na Cidade Administrativa.


O décimo terceiro do funcionalismo foi uma das pautas da reunião. Segundo Mateus, o governo Fernando Pimentel ainda não tem uma posição sobre o pagamento. "Mas a sinalização que eu tenho ao olhar as contas públicas é de que se não tivemos dinheiro em 2017 para fazer o pagamento do décimo terceiro quando a situação fiscal era menos dramática do que a atual, acho cada vez mais difícil que o governo consiga fazer o pagamento do décimo terceiro este ano”, disse.


O secretário de governo Odair Cunha, afirmou que ainda não há um calendário para o décimo terceiro e que uma comissão debate neste momento o problema com os servidores.

“Nossa expectativa é de que tenhamos uma definição na primeira quinzena de dezembro”, disse Odair. “Não tivemos alteração da situação econômica do estado de um ano pra outro, mas o aprofundamento da crise. Mas ainda estamos buscando recursos extraordinários para fazer frente às despesas, principalmente o décimo terceiro“, acrescentou.


A equipe de transição do futuro governo Romeu Zema reuniu-se com secretários do governo Pimentel, na cidade administrativa. Os secretários da Fazenda, José Afonso Bicalho, do Planejamento Helvécio Magalhães, de Governo Odair Cunha e Marco Antônio Rezende da Casa Civil prestaram informações sobre a situação do estado, repassaram acessos e senhas aos sistemas do estado e receberam novas demandas da equipe de Zema.

Integram a equipe de Zema, coordenada pelo vereador Mateus Simões, o engenheiro civil Rodrigo Paiva, o economista Victor Cezarini, o empresário Victor Garizo Becho, além das advogadas Luciana Lopes e Simone Deoud Siqueira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade