Publicidade

Estado de Minas

Kalil cobra R$ 500 milhões de Romeu Zema

Ao referir-se ao governador eleito, Kalil o chamou de 'Raul' e disse que dívida diz respeito a repasses atrasados de ICMS, IPVA e Fundeb


postado em 12/11/2018 12:55 / atualizado em 12/11/2018 17:16

(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

 O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), afirmou na manhã desta segunda-feira que vai até o governador eleito Romeu Zema (Novo) – a quem chamou de “Raul” – para cobrar uma dívida que o estado tem com a capital de cerca de R$ 500 milhões.

“Estou esperando uma posição dele a respeito de pagar o que deve à PBH”, afirmou Kalil, que nesta manhã participou de evento no restaurante popular de área hospitalar. Ele visitou a unidade, que passa a oferecer café da manhã e jantar a partir desta terça-feira.

 Os recursos referem-se ao repasse de verbas de ICMS, IPVA e Fundeb. A Associação Mineira de Municípios (AMM) contabiliza que o governo deve às prefeituras cerca de R$ 9 bilhões.

De acordo com Kalil, ele também vai “urgente” até o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) buscar dinheiro para Belo Horizonte. Alexandre Kalil também rebateu notícias de que estaria sendo cortejado pelo PT para as eleições de 2020, em que os petistas plenejariam apresentar o nome do candidato a vice em uma provável candidatura à reeleição.

“PT é muito pretensioso e devia se aconstumar com a coça que tomou aqui em BH”, limitou-se a dizer.

O prefeito de BH ainda criticou o desvio de dinheiro público por governantes e defendeu a prisão de políticos corruptos. “Uma caneta poderosa na mão de um canalha é muito pior que um revólver”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade