Publicidade

Estado de Minas

Chamado de inexperiente por Anastasia, Zema desqualifica gestão tucana em Minas

Candidato do Novo, Romeu Zema ataca "choque de gestão" dos governos tucanos em Minas Gerais. Senador Antonio Anastasia, do PSDB, diz que há grande diferença entre administrar empresa privada e o estado


postado em 14/10/2018 06:00 / atualizado em 14/10/2018 07:26

'O governo Anastasia deixou déficit de R$ 2,1 bilhões, que comprovam que não houve choque de gestão' - Romeu Zema, candidato do Novo ao governo de Minas(foto: Túlio Santos/EM/DA Press)
'O governo Anastasia deixou déficit de R$ 2,1 bilhões, que comprovam que não houve choque de gestão' - Romeu Zema, candidato do Novo ao governo de Minas (foto: Túlio Santos/EM/DA Press)


Adversários na disputa pelo governo de Minas, o senador Antonio Anastasia (PSDB) e o empresário Romeu Zema (Novo) elevam o tom da disputa no fim da primeira semana da corrida eleitoral. Em campanha na Praça do Papa, em Belo Horizonte, Anastasia disse que as propostas de Zema são “fora da realidade” e que o opositor quer promover uma “privatização generalizada”. Já o empresário Romeu Zema afirmou que, se eleito, sua administração à frente do estado será muito diferente do “tal choque de gestão”, uma das marcas do governo tucano, que, segundo o empresário inchou a máquina pública e deixou déficit de R$ 2,1 bilhões.

Sem agenda externa e dedicado a reuniões com sua equipe, o empresário retrucou a afirmativa de Anastasia, em entrevista ao Estado de Minas, de que o “Novo não é novo” e que convém ao eleitor saber se vai “entregar o estado para uma pessoa que não conhece nada de administração pública”. Segundo Zema, a campanha do Novo é a única que não recebe fundo partidário e é feita somente com doações de apoiadores. Ele cita o deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG), próximo a Anastasia, como um dos maiores entusiastas do fundo. “O Fundo Partidário destinou mais de R$ 1,7 bilhão para os partidos”, criticou.

Zema afirmou que sua trajetória à frente da iniciativa privada, com 430 lojas em segmentos variados e mais de 5,5 mil funcionários, atesta sua competência. “Nosso faturamento deve bater a casa dos R$ 5 bilhões neste ano. E, mesmo com o país em crise, conseguimos manter o pagamento dos funcionários sempre em dia. Se isso não for um bom gestor, não sei o que é”, afirmou. Em contrapartida, desqualificou a atuação dos tucanos na administração pública, ao falar do “choque de gestão” – programa de controle de resultados encabeçado por Anastasia.

O empresário disse que se eleito, fará reforma administrativa, reduzindo de 21 para nove o número de secretarias no estado e cortando 80% dos cargos comissionados. “Nos oitos anos em que Aécio Neves governou Minas com Anastasia no secretariado, o quadro de pessoal cresceu 30,9%, passando de 268,4 mil servidores, em novembro de 2003, para 351,5 mil, em novembro de 2010, além do déficit que o governo Anastasia deixou de R$ 2,1 bilhões. Fatos que compravam que não houve choque de gestão”, ressaltou.

Zema disse que, no segundo turno, vai mostrar como “tirar Minas dessa situação crítica”. Segundo ele, seu plano de governo está em constante aprimoramento, em resposta à alegação de Anastasia de que as propostas do empresário foram retiradas do site do candidato.

'As propostas que Zema está fazendo são fora da nossa realidade, uma privatização generalizada' - Antonio Anastasia, candidato do PSDB ao governo de Minas(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
'As propostas que Zema está fazendo são fora da nossa realidade, uma privatização generalizada' - Antonio Anastasia, candidato do PSDB ao governo de Minas (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


DEFESA DOS ANIMAIS Focado em comparar seu plano de governo com o de seu adversário, o senador Antonio Anastasia atacou Zema. No segundo dia em que fez campanha no segundo turno, o tucano escolheu uma agenda com os cachorros e protetores de animais na Praça do Papa, em BH, para pedir votos. Anastasia ficou dois dias sem fazer campanha nesta semana por causa da agenda no Senado. Ontem, ele foi acompanhado do seu schnauzer Palacinho e prometeu que, se eleito, fará um programa de proteção dos animais inédito em âmbito estadual, que incluirá programa de castração e incentivo a hospitais veterinários, entre outras medidas.

Embora o início das propagandas do candidato tenha focado em criticar o adversário, Anastasia negou que queira “desconstruir” Zema e afirmou querer apenas permitir a comparação. “As propostas que ele está fazendo são fora da nossa realidade, uma privatização generalizada que não encontra eco inclusive no anseio dos mineiros, me parece”, disse. Questionado sobre o fato de a pauta de privatizações também ser do PSDB, Anastasia rebateu: “É totalmente diferente, a privatização do PSDB era de empresas que não estavam no núcleo do estado, a proposta dele (Zema) é privatizar educação e saúde”, afirmou.

Anastasia disse que vai usar o tempo de televisão e as redes sociais para mostrar a diferença entre “o que é administrar uma empresa privada e o que é administrar o governo estadual”. Segundo ele, as diferenças vão ficar claras nos debates e entrevistas. Anastasia voltou a falar do déficit do estado que, apesar de estar previsto em R$ 11,2 bilhões na proposta de orçamento para o ano que vem, acredita que ultrapasse os R$ 20 bilhões. “Acho que nem o governo atual tem o valor exato, mas a cada dia sai mais um esqueleto do armário, cada dia é uma dívida nova que surge”, disse. Hoje, Zema e Anastasia ficarão dedicados às gravações do programa eleitoral.


Publicidade