Publicidade

Estado de Minas

Diretório nacional do Novo diz que declaração de Zema é 'inaceitável'; estadual nega conflito

Em nota, ala nacional do Novo declarou que candidato ao governo de Minas, ao pedir votos para Bolsonaro e Amoêdo, cometeu infidelidade partidária; diretório estadual afirma que há mal entendido


postado em 03/10/2018 14:51 / atualizado em 03/10/2018 15:02

O candidato ao governo de Minas Gerais pelo Partido Novo, Romeu Zema(foto: Sidney Lopes/EM )
O candidato ao governo de Minas Gerais pelo Partido Novo, Romeu Zema (foto: Sidney Lopes/EM )
A fala de Romeu Zema (Novo) no debate promovido pela TV Globo nesta terça-feira, quando o candidato fazia suas considerações finais, repercutiu negativamente no diretório nacional do partido. O empresário afirmou: "Aqueles que querem mudança, com certeza, podem votar aí nos candidatos diferentes, que são o Amoêdo e o Bolsonaro". Em resposta, o Diretório Nacional da legenda soltou uma nota na qual classifica a declaração como “inaceitável” e trata a atitude de Zema como infidelidade partidária. “O partido e seus filiados e apoiadores trabalham dia e noite para que João Amoêdo chegue ao segundo turno”, diz a nota. Além disso, o texto informa que tanto o candidato quanto a coordenação da campanha deles já foram avisados sobre a posição do partido.

Apesar disso, o presidente estadual do partido, Bernardo Santos (Novo), afirma que não há rusgas com o Diretório Nacional, que a situação foi um “mal entendido” e que se resolverá com diálogo. “Estamos enxergando com muita naturalidade porque somos todos inexperientes na política. É a primeira vez que o Novo participa de um debate dessa relevância. É natural falar coisas e ser mal interpretado”, afirma. Para ele, Zema não pretendia pedir votos para Bolsonaro, mas que quem vota em João Amoêdo compartilha com o eleitor do militar uma indignação com a “velha política”. “Queríamos abrir os olhos dos eleitores para isso, não adianta salvar o Brasil e Minas afundar”, concluiu.

Único vereador eleito pela legenda em Minas Gerais, Mateus Simões (Novo) segue a linha do presidente do Diretório Estadual e não considera que houve infidelidade partidária. Zema, afirma Simões, poderia ter se expressado de melhor forma, mas não pediu votos para o concorrente. “Tanto os eleitores de Amoêdo quanto de Bolsonaro encontram nos candidatos do Novo, em nível estadual, uma excelente opção. É isso que ele disse. A conversa de Zema com o (Diretório) Nacional hoje vai deixar isso claro”, argumenta.

Segundo Turno


Bernardo Santos ressaltou que, apesar da polêmica, não foi definido apoio a Jair Bolsonaro em um eventual segundo turno contra Fernando Haddad (PT). “Essa decisão será tomada depois do primeiro turno. Nosso candidato é João Amoêdo, mas é absolutamente verdade que não vamos nos aliar ao PT. Mas isso não quer dizer, necessariamente, que vamos apoiar o outro lado”, explicou.
 
*Estagiário sob supervisão do editor Renato Scapolatempore 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade