Publicidade

Estado de Minas

Advogado de agressor de Bolsonaro já defendeu Bola, no caso Bruno

Bola, condenado a 27 anos de prisão pelo assassinato, em 2010, da modelo Eliza Samudio, ex-namorada do goleiro Bruno


postado em 08/09/2018 08:23

O advogado de defesa do agressor do deputado Jair Bolsonaro, Zanone Oliveira Junior fala à imprensa(foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)
O advogado de defesa do agressor do deputado Jair Bolsonaro, Zanone Oliveira Junior fala à imprensa (foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

O advogado Zanone Manoel de Oliveira Júnior, que defende Adelio Bispo Pereira, agressor confesso do deputado e candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), já defendeu outro cliente que ficou conhecido, em um caso polêmico. Ele era o advogado do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, condenado a 27 anos de prisão pelo assassinato, em 2010, da modelo Eliza Samudio, ex-namorada do goleiro Bruno. O atleta, que à época jogava no Flamengo, também foi condenado a 22 anos de prisão, por homicídio e ocultação de cadáver.

Os quatro advogados que assistiram Adelio falaram com a imprensa à saída da audiência de instrução, na Justiça Federal, e também na chegada à Polícia Federal de Juiz de Fora, onde o agressor foi prestar novo depoimento, antes de ser transferido para um presídio federal de segurança máxima.

Um dos advogados disse que o dinheiro para pagar pela defesa está sendo bancado por uma igreja evangélica de Montes Claros, onde Adelio morava e tinha família, mas não quis revelar o nome da instituição. Perguntado sobre como os advogados fariam para dar assistência a Adelio, já que os presídios federais ficam em outros estados, Zanone disse que não seria um problema, pois possui um avião para esse tipo de deslocamento.

O advogado sustentou aos repórteres que o discurso de ódio de Bolsonaro foi um elemento motivador da agressão praticada por Adelio, que se identifica como negro e que se mostrou contrariado por uma fala pejorativa do candidato sobre os quilombolas. Zanone também disse que Adelio agiu sozinho e que pedirá um laudo de sanidade mental em seu cliente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade