Publicidade

Estado de Minas MINAS GERAIS

Cresce tensão no MDB para definir alianças para a disputa eleitoral

Parlamentares da comissão provisória se desentendem às vésperas da decisão sobre o rumo do partido em Minas Gerais


postado em 03/08/2018 06:00 / atualizado em 03/08/2018 07:23

Os deputados federais Saraiva Felipe (E) e Fábio Ramalho se desentenderam durante reunião em Brasília(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press e Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Os deputados federais Saraiva Felipe (E) e Fábio Ramalho se desentenderam durante reunião em Brasília (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press e Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

A decisão sobre o futuro do MDB mineiro elevou a tensão entre deputados da legenda. Em encontro no fim da manhã de ontem, em Brasília, o presidente da comissão provisória do MDB, Saraiva Felipe, se desentendeu com Fábio Ramalho (MDB). Após a reunião, ficou definida mudança na composição da comissão que decidirá amanhã se lançará candidatura própria ao governo de Minas ou apoiará outro candidato. Na noite de ontem, os emedebistas se reuniram em BH para avaliar possibilidades de coligações, mas não bateram o martelo sobre o futuro do partido.

Ramalho criticou o correligionário por ter negociado aliança “sem consentimento dos outros integrantes do partido” com o PSB em Minas e chamou Saraiva de “falso” e “mentiroso”. A reunião se tornou troca de ofensas entre os emedebistas mineiros, mas, segundo Ramalho, não houve agressão física como alguns falaram após o encontro. Depois de nova reunião, na noite de ontem, Ramalho pôs panos quentes e afirmou que eles vão se entender. Presidente da comissão provisória, Saraiva Felipe não atendeu às ligações da reportagem.

Entre os deputados federais, a preferência é que o MDB se coligue ao PT. Dessa forma, o partido apoiaria a reeleição de Fernando Pimentel e em troca participaria da coligação proporcional, podendo aumentar sua bancada na Câmara. No entanto, a medida é criticada por deputados estaduais, que são contra a retomada da aliança com o PT. Desde abril, os dois partidos estão afastados no campo estadual, após divergências entre o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes, e o governador.

“A decisão de hoje em Brasília é no sentido que os parlamentares federais passem a participar da comissão, mas Saraiva será mantido presidente e João Magalhães continua sendo o tesoureiro. O diretório nacional defende que o MDB se articule para aumentar a bancada no Congresso e por isso a coligação com o PT é mais favorável”, afirmou o deputado Mauro Lopes (MDB).

Caberá à comissão provisória decidir o destino do MDB. Seguindo resolução do diretório nacional, a convenção estadual do partido, que estava marcada para o próximo domingo, foi cancelada e os delegados da legenda não vão mais votar sobre o caminho do MDB. “Vamos trabalhar para acertar os detalhes da nossa chapa para a eleição e a tendência mais forte e discutir como participar, indicando candidato a vice-governador ou ao Senado”, disse Lopes.

A comissão é formada por quatro deputados estaduais – João Magalhães, Tadeu Leite, Iran Barbosa e Leonídio Bouças – e três federais – Saraiva Felipe, Leonardo Quintão e Newton Cardoso Jr. Com as mudanças aprovadas ontem em Brasília, passariam a integrar o grupo Fábio Ramalho e Mauro Lopes, mas na reunião em BH os emedebistas mantiveram os deputados estaduais para não acirrar os conflitos internos da legenda.

“Decidimos não tirar ninguém da comissão para acalmar os ânimos. Amanhã (hoje) vamos seguir as conversas para ver o melhor caminho. Agora depende também se Marcio Lacerda será candidato ou se ficará mesmo de fora. Porque os que queriam apoiar o PSB ficam agora dependendo do que eles vão resolver entre eles. Outro grupo defende a aliança com o PT”, explicou Ramalho.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade