Publicidade

Estado de Minas

Alckmin diz que se Centrão pedir algo inadequado, não será atendido


postado em 31/07/2018 10:18 / atualizado em 31/07/2018 10:44

São Paulo - O presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, afirmou na manhã desta terça-feira, 31, em entrevista ao "Jornal Gente", da Rádio Bandeirantes de São Paulo, que é preciso ter maioria para avançar no processo eleitoral. "Numa campanha curta como essa, o tempo no rádio e na TV faz diferença, ainda mais quando não sou muito conhecido fora de São Paulo". Indagado sobre como se portará quando receber a fatura dos partidos que o apoiam, como o Centrão, Alckmin disse que se esses partidos pedirem algo inadequado, não serão atendidos.

Na entrevista, o tucano disse que usará o tempo disponível nessa campanha para explicar como reduzir o déficit do País. "É possível melhorar receita e cortar o déficit de R$ 140 bilhões em dois anos. Acredito que se formos eleitos, vai ter choque de otimismo, a Bolsa vai subir, haverá confiança que País não vai quebrar e vai fazer a lição de casa."

O tucano lembrou que essa campanha será muito curta e as pesquisas de intenção de voto podem se alterar substancialmente. "O Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República nas eleições de 2014 cresceu 12 pontos (porcentuais) em menos de uma semana, às vésperas do primeiro turno", disse.

O presidenciável do PSDB voltou a destacar: "quem for eleito deve aproveitar a legitimidade das urnas pra fazer as mudanças constitucionais necessárias que o País necessita", como as reformas tributária, política e previdenciária.

Vice


Indagado sobre quem poderá ser o vice em sua chapa, Alckmin brincou: "Também gostaria de saber." E repetiu que o escolhido não deve ser de São Paulo e nem do PSDB. "Temos grandes nomes", disse, citando o correligionário Tasso Jereissati (PSDB-CE) mas admitindo que ele é de seu partido e a ideia é buscar alguém de outra sigla.

Comentando a informação de que o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa está sendo convencido pelo seu partido, o PSB, a rever sua posição e disputar a corrida presidencial, Alckmin disse que ele é um nome respeitável, mas que a decisão é sempre de foro íntimo.

Indagado sobre a redução da maioridade penal, disse que na época em que o seu secretário de Justiça era o atual ministro do STF Alexandre de Moraes, eles propuseram para crimes graves o aumento da pena (do menor) para até 8 anos. E que defendeu medidas que não precisem mexer nas cláusulas pétreas da Constituição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade