Publicidade

Estado de Minas

Jejum por prisão de Lula gera críticas e procurador da Lava-Jato rebate

O coordenador da operação, Deltan Dallagnol, rebateu o argumento de que estaria usando a religião para uma questão política


postado em 03/04/2018 18:17 / atualizado em 03/04/2018 19:32

Dallagnol anunciou o jejum pelo Twitter no dia 1º de abril(foto: Heuler Andrey / AFP)
Dallagnol anunciou o jejum pelo Twitter no dia 1º de abril (foto: Heuler Andrey / AFP)

Após a repercussão do anúncio de que fará jejum pelo julgamento do  habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Supremo Tribunal Federal, o coordenador da Lava-Jato no Ministério Público, Deltan Dallagnol se defendeu das críticas nesta terça-feira (3). O procurador disse ser cristão e que todos sabem que ele ora pelo país. “Minha oração e jejum são pela causa anti-corrupção”, disse.

Em entrevista à Rádio Jovem Pan, Dallagnol afirmou que expressar a fé faz parte da liberdade religiosa e de expressão. O procurador da Lava-Jato disse ter se manifestado em sua rede social sobre um tema que está fora de sua atribuição profissional.

Jejum e oração


No domingo (1), Dallagnol escreveu no Twitter que a quarta-feira seria o dia D na luta contra a corrupção. “Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo país, jamais serão responsabilizados, na Lava-Jato e além. O cenário não é bom. Estarei em jejum, oração e torcendo pelo país”, disse.

O procurador foi alvo de várias críticas e até ironias de alguns, como a deputada federal Manuela D'Ávila (PCdoB), que citou trecho da Bíblia que diz que o jejum não deve ser anunciado, mas feito em segredo. O escritor Xico Sá também usou a rede social para dizer que o anúncio era uma 'ironia cristã'. "O procurador anuncia jejum contra o cara que combateu – como nenhum outro político na história – a fome no Brasil", registrou.

 


Dallagnol ressaltou que seu jejum e oração não serão apenas contemplativos."Vou fazer tudo que estiver ao meu alcance para a melhoria do país, inclusive para sensibilzar pessoas e buscar sensibilzar o Supremo para importância desta decisão para o caso da Lava-Jato e para todos os crimes praticados por poderosos e o futuro do nosso Brasil", disse.

Bretas acompanha só oração

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, também responsável pela Lava-Jato, disse ao “irmão em cristo” que irá acompanhá-lo,mas só “em oração”.

Nesta terça-feira (3), ele postou o preâmbulo da Constituição brasileira, destacando o trecho “sob a proteção de Deus” e pediu: “Oremos/Rezemos”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade