Publicidade

Estado de Minas

''Próximo passo será legalizar a pedofilia'', diz Bolsonaro


postado em 07/05/2011 11:01 / atualizado em 07/05/2011 11:17

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), que se tornou conhecido por suas declarações homofóbicas, reagiu à aprovação da união estável entre homossexuais afirmando que ''o próximo passo será a adoção de crianças por casais homossexuais e a legalização da pedofilia''.

Na quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a união estável entre homossexuais, provocando a reação de parte da bancada congressita que era contra a medida. ''O Supremo extrapolou. Quem tem de decidir isso é o Legislativo, com a sanção do Executivo. Agiu por pressão da comunidade homossexual e do governo. Unidade familiar é homem e mulher'', afirmou o deputado. Bolsonado admitiu que discrimina os homossexuais e disse que não permite que seu filho de 3 anos bringue com crianças que tem pais homossexuais. ''Não quero que ele aprenda com o filho do vizinho que a mamãe usa barba, que isso é normal. Não vou deixá-lo nessas companhias porque o futuro do meu filho também será homossexual%u201D disse o deputado. Além disso, ele criticou o Projeto de Lei 122, que prevê a criminalização da homofobia. ''Se ser homofóbico é defender as crianças nas escolas, defender a família e a palavra de Deus, pode continuar me chamando de homofóbico com muito prazer, pode me dar o diploma de homofóbico'', declarou. Atualmente, Bolsonaro se defende de quatro representações protocoladas contra ele na Corregedoria da Câmara dos Deputados, por acusação de racismo. O deputado responde a representações assinadas pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara; pelos deputados Edson Santos (PT-RJ) e Luiz Alberto (PT-BA) e pela Secretaria de Igualdade Racial porque disse em um programa de televisão que não gostaria que seu filho namorasse uma negra. *Com Agência Estado


Publicidade