Publicidade

Estado de Minas OFENSAS

Médico detido no Egito chora em live após pedir desculpas

Com 932 mil seguidores, Victor Sorrentino explicou os acontecimentos no seu Instagram e falou sobre as acusações de assédio sexual


09/06/2021 15:58 - atualizado 09/06/2021 18:09

Médico Victor Sorrentino em sua live no Instagram(foto: Reprodução/Instagram)
Médico Victor Sorrentino em sua live no Instagram (foto: Reprodução/Instagram)
O médico Victor Sorrentino fez uma live na última terça-feira (8/6) pedindo desculpas por suas ações em um vídeo que expôs uma vendedora muçulmana, no Egito. Ele é acusado de assédio sexual após ofendê-la em português.

 



No vídeo em que a mulher aparece, ele diz “vocês gostam mesmo é do bem duro, né?”. O médico e seus companheiros riram da situação e continuaram “elas gostam é do bem duro, duro. Comprido também fica legal, né? O papiro comprido”. A vendedora que aparentava estar constrangida, responde que sim, e vira alvo de risadas pelo grupo.


Durante a live, ele sempre ressaltava que não estava tentando justificar suas atitudes e sim reconhecer e assumir seus erros. Victor também estava vestido com uma camiseta com a frase “pai pra toda obra” e chorou em diversos momentos.

 

Leia também: Médico preso no Egito oferecia consultas em Portugal sem ter autorização

 

Ele exibiu vídeos da viagem em que conversa com vendedores sobre estátuas que representavam os órgãos sexuais dos deuses egípcios, comparando-os com os dos brasileiros. O médico alega que o vídeo foi editado, "só aquela parte, traduziram para a língua árabe e divulgaram nas redes sociais".

O brasileiro se defende, apontando um clima de brincadeira, mas assume o erro. "Esse descuido é um erro, não medir as palavras, usar as palavras erradas em uma brincadeira que não tinha o direito de fazer com ela, apesar de que a gente tinha pedido para filmar ela explicando a coisas." 

 

Sorrentino disse que cometeu diversos erros e no começo reagiu de uma forma ruim e foi reativo às mensagens, e ao agir assim, provocou a ira de diversas pessoas. Além disso, ele fala que demorou a apagar os stories e que isso também foi um erro. O médico completa dizendo que pediu desculpas à egípcia e à família dela diversas vezes, e que ela não quis prestar queixas por não se sentir ofendida e não aceitou nenhuma forma de pagamento.

 

Sobre a investigação, Victor fala “eles me investigaram, e foi uma investigação maçante. Sofri muito. Passei os melhores e os piores momentos da minha vida. Os piores porque nunca imaginei que eu fosse passar por aquilo e nunca imaginei que minha família fosse passar pelo que passou. Ficaram sem notícias minhas durante um período. A investigação foi muito dolorosa, eles não sabem o quanto as pessoas aqui estavam sofrendo.”

 

Na transmissão, o médico se referiu a si mesmo diversas vezes em terceira pessoa. "As autoridades decidiram em tudo que investigaram dos fatos que não havia motivos para abrir um processo para o Victor, não havia motivos para deportar o Victor, não havia motivos para reter o passaporte do Victor e que, portanto, o Victor deveria seguir o seu curso para casa com o passaporte, podendo voltar para o Egito quando quisesse sem ter que pagar absolutamente nada a não ser o preço do sofrimento de ter ficado praticamente seis dias sendo investigado em condições que são diferentes das condições do Brasil."

 

Por defender o tratamento precoce contra a COVID-19, que já foi comprovado ser ineficaz, Sorrentino foi chamado de bolsonarista, mas ele afirma que não é. "Votei, votar em alguém não é ser bolsonarista. Foi simplesmente uma opção que fiz naquele momento, não tenho ídolos dentro da política." 

 

Victor falou que sua família e seus amigos também sofreram agressões e ameaças. "Eles foram julgados, agredidos, ameaçados por conta de 15 segundos de um vídeo do qual eu me desculpei. De um erro que aparentemente é inafiançável, usar palavras erradas. As mesmas pessoas que, por vezes, estão defendendo pessoas que estupraram outras, né?” O médico disse ainda que recebeu diversas mensagens de apoio e que nos seis dias da investigação se sentiu “muito próximo a Deus” e se sente transformado.

 

O médico finalizou a live dizendo que "recordo tudo o que aconteceu com felicidade por estar aqui e por saber que eu tenho uma vida abençoada com tudo de bom e de ruim que aconteceu, uma vida extremamente abençoada. E que eu tenho muito a evoluir e que esse foi o momento de maior evolução em toda a minha vida. A semana mais transformadora da minha vida, mesmo nos locais onde eu estive". 

 

* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade