Publicidade

Estado de Minas VOLTA

Médico preso por assédio sexual no Egito volta ao Brasil

Victor Sorrentino foi detido no último domingo (30/5), no Cairo, após uma postagem em seu Instagram de cunho sexual


06/06/2021 20:54 - atualizado 06/06/2021 20:54

Médico ficou uma semana preso por ofensa a uma vendedora(foto: Reprodução/Instagram)
Médico ficou uma semana preso por ofensa a uma vendedora (foto: Reprodução/Instagram)
Preso no Egito depois de ser acusado de assédio verbal a uma vendedora, o médico e influenciador digital Victor Sorrentino retornou neste domingo (6/6) ao Brasil, depois de ser liberado por autoridades locais.  Ele foi detido no último domingo (30/5), no Cairo, após uma postagem em seu Instagram de cunho sexual.
 
Na publicação, ele pergunta a uma vendedora local em português: "Elas gostam é do bem duro. Comprido também fica legal, né?". No que a mulher sorri sem graça ao não entender o que o médico dizia.

O vídeo foi publicado por Sorrentino em seu perfil, que soma quase 1 milhão de seguidores no Instagram.

A prisão foi fruto de um movimento iniciado por brasileiros e expandido por ativistas feministas egípcias. Essa articulação fez com que as ofensas verbais contra a vendedora de papiros chegassem a autoridades do país, que agora o acusam formalmente e estenderam a sua prisão.
 
Ele inicialmente ficaria preso até quarta-feira (2/6), mas a Justiça do Egito estendeu a pena por mais quatro dias.

Victor Sorrentino foi acusado de expor a vítima a insinuação sexual verbal, cuja pena é de 6 meses até 3 anos de prisão e multa não inferior a EGP 5.000 (cerca de R$1.643), ou uma das duas penalidades; transgressão contra os princípios e valores familiares da sociedade egípcia, com pena mínima de 6 meses de prisão e multa não inferior a EGP 50.000 (cerca de R$16.429), ou uma das duas penalidades; violação da santidade da vida privada da vítima e uso de conta digital privada para cometer esses crimes, ambas acusações também sujeitas a pena mínima de 6 meses de prisão e multa não inferior a EGP 50.000, ou uma das duas penalidades.

O caso de Sorrentino estava sob investigação do Ministério Público egípicio e o médico, até então, permanecia impedido de deixar o país. O órgão mantinha o brasileiro detido em prédio público do governo local. 
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade