Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Colapso: Uberlândia e Porto Alegre começam a repetir Manaus

Conforme epidemiologista, crescimento no número de mortos por COVID-19 nas cidades é parecido com que aconteceu no Amazonas; veja gráfico


02/03/2021 22:16 - atualizado 02/03/2021 23:04

Os hospitais de Uberlândia e Porto Alegre estão no limite de ocupação de leitos(foto: Reprodução)
Os hospitais de Uberlândia e Porto Alegre estão no limite de ocupação de leitos (foto: Reprodução)
A trágica situação da COVID-19 em Manaus, capital do Amazonas, está se repetindo em outras cidades do Brasil. Hospitais da rede pública e privada com ocupações de leitos no limite e aumento expressivo do número de mortos e casos de coronavírus se tornaram uma realidade preocupante em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, e Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, por exemplo. Nesta terça-feira (02/03), o médico Otavio Ranzani publicou um gráfico que mostra as cidades que estão em uma situação de colapso semelhante a Manaus.

Conforme o estudo, os números de mortos por COVID-19 explodiram durante fevereiro e março deste ano. “Sem corrigir para o atraso do Registro Civil. É a mesma aceleração vista em Manaus”, comentou o especialista.
 

Veja o gráfico:

O gráfico mostra a explosão de casos de COVID-19 nos municípios(foto: reprodução Twitter )
O gráfico mostra a explosão de casos de COVID-19 nos municípios (foto: reprodução Twitter )
 


 
Na última segunda-feira (01/03), Uberlândia registrou 336 novos casos e 14 mortes em decorrência da COVID-19, segundo boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde. No total, são 69.014 pessoas infectadas e 1.088 óbitos em quase um ano. 
 
Além disso, a cidade chegou ao limite no número de leitos nas redes de saúde público e privada, conforme o último boletim municipal diário sobre os casos de COVID-19.
 

A rede de saúde de Uberlândia colapsou. Friso: colapsou. A situação é caótica. A gente pediu, a gente apelou para que todos compreendessem o momento que vivíamos, para que não chegássemos a essa situação. Infelizmente, muitos não ouviram e duvidaram desta doença. Hoje a nossa situação é a pior de todas as que vivemos.

Odelmo Leão (PP), prefeito de Uberlândia, sobre o colapso da cidade e do sistema de saúde diante da pandemia de COVID-19.


 
A situação em Porto Alegre é bastante parecida. Na última segunda-feira (1º/3), a cidade registrou  2.879 novos casos e 33 mortes por coronavírus em 24h, segundo boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde. No total, são  2.418 mortes em decorrência da COVID-19 em um ano.
 
Além disso, a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está quase no limite, com 98,62% de lotação. Porém, o Hospital Moinhos de Vento – o maior da rede privada da cidade – superou o limite de capacidade, com 119,7% de lotação, de acordo com o levantamento da Secretaria Municipal da Saúde. 
 
Conforme o médico Luiz Antônio Nasi, o hospital não tem espaço para acomodar as pessoas que morreram e que contrataram um contêiner para colocar as vítimas.
 
"É um campo de guerra. Todo mundo sendo mobilizado no hospital, médicos, anestesistas, enfermeiros de todas as áreas. Estamos, realmente, com uma situação calamitosa", afirmou Nasi durante entrevista para a GloboNews.
 

Relembre o colapso de Manaus:

 
Em janeiro de 2021, a capital do Amazonas atingiu o limite de atendimento em hospitais: sem leitos e sem oxigênio para tratar os pacientes. Com o sistema de saúde em colapso, médicos e autoridades de Manaus pediram ajuda para salvarem as vidas que estavam internadas.
Os pacientes foram transferidos para várias áreas do país, incluindo Minas Gerais, em Uberaba e Belo Horizonte. 
 

Além disso, foi descoberta em Manaus uma mutação do coronavírus que se espalhou para outros estados brasileiros, como São Paulo e Minas Gerais. Em Uberaba, no Triângulo Mineiro, pacientes vindos de Manaus acabaram morrendo.
 


Recorde

  
Nesta terça-feira (02/03), o Brasil registrou o maior número de mortes em decorrência da COVID-19 em 24 horas desde o início da pandemia, com 1.726 novos óbitos. No total, o país registra 10.647.845 casos confirmados de coronavírus, sendo 58.237 contabilizados nas últimas 24 horas. As informações são do levantamento do consórcio de veículos de imprensa, formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL em parceria com 27 secretarias estaduais de Saúde.


*Estagiária sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade