Publicidade

Estado de Minas

Centenas de pessoas se despedem de servidora do MEC no cemitério de Planaltina

Família decidiu não realizar velório e marcou o sepultamento para o fim da tarde. Por volta das 16h30, cerca de 500 pessoas já se reuniam no cemitério


postado em 27/08/2019 17:47 / atualizado em 27/08/2019 19:01

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )
O corpo da advogada Letícia Sousa Curado de Melo, 26 anos, assassinada na sexta-feira (23/8), será sepultado na tarde desta terça-feira (27/8), no Cemitério de Planaltina. A família esteve no fim da manhã no Instituto de Medicina Legal (IML) para liberar o corpo. Os procedimentos foram concluídos por volta das 14h, e a decisão dos parentes da jovem foi de não fazer o velório. O enterro será no fim do dia.

Por volta das 16h30, mais de 500 pessoas já se reuniam no Cemitério de Planaltina à espera do sepultamento e, a todo momento, chegava mais gente. Entre os presentes, muitos moradores da cidade que foram prestar homenagem à jovem, além de familiares, amigos e servidores da Vigilância Ambiental, onde a mãe de Letícia trabalha. Abalados, os parentes da advogada não quiseram falar. Em respeito a eles, a reportagem acompanha a cerimônia de longe.

Marido de Letícia, Kaio Fonseca Curado, 26, esteve no IML pela manhã acompanhado de familiares do casal. O bombeiro Rosenvelt Ferreira, 44, primo da vítima, afirma que a família está indignada e sofrendo muito com o desfecho do caso. "É um sentimento de dor muito grande. A gente procura palavras para expressar o que a família está sentindo, mas não encontra", disse.

Sobre o surgimento de novas vítimas do cozinheiro Marinésio dos Santos Olinto, 41, Rosenvelt disse esperar que ele pague por todos os crimes praticados. "Espero que ele não fique impune. Que ele pague não só pelo que fez com a Letícia, mas também pelo que fez com as outras vítimas", destaca.

Padrinho do filho de Letícia e primo de Kaio, Leandro Dias, 30, se revolta com a morte da advogada. "Espero que cumpra pena e fique preso o máximo possível. A generação dele é quase impossível, como a própria investigação disse", afirma.

Homenagens


Nesta terça-feira (27/8), a Fundação Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (FESMPDFT), onde Letícia cursava uma pós-graduação, prestou uma homenagem à jovem e colocou duas faixas pretas em frente à fachada da escola com os dizeres "Estamos de luto por Letícia".

Na tarde de segunda-feira (26/8), após o anúncio da morte, a diretoria nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) publicou nota de pesar lamentando a morte da jovem. A entidade informou que se solidariza com parentes, amigos e familiares e reforçou o comprometimento com o enfrentamento à violência contra mulheres. "Não podemos aceitar que mulheres continuem morrendo por serem mulheres", afirma o texto. Colaborou Jéssica Eufrásio


Publicidade