UAI
Publicidade

Estado de Minas CHUVAS

Parte das obras de contenção de encostas devem ficar prontas até outubro

Previsão é que todos os projetos do programa sejam concluídos até o fim de 2023


19/07/2022 10:39 - atualizado 19/07/2022 11:54

Imagem mostra encosta próximo à Vila Nossa Senhora Aparecida
Prefeitura deve assinar, nesta semana, ordem de serviço para o início de mais quatro obras do Programa de Gestão do Risco Geológico-Geotécnico (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A.Press)
Até outubro deste ano, a Prefeitura de Belo Horizonte deve concluir 70 das 200 obras previstas para conter o risco de deslizamento de encostas na cidade no período de chuvas. Já foram entregues 26 intervenções e outras 38 estão em andamento.

Na manhã desta terça-feira (19/7), o prefeito de Belo Horizonte Fuad Noman visitou as obras na Vila Nossa Senhora Aparecida, em Venda Nova. "Viemos aqui para ver como está o andamento do nosso projeto. Quando você chega aqui, vê que essa obra é fundamental, porque sob uma chuva o pessoal lá embaixo iria sofrer", disse Fuad.

 

Leia mais: 'Chuva só em setembro', diz meteorologista do Inmet BH


Só as intervenções nessa vila devem custar cerca de 1 milhão aos cofres públicos. "É um valor relativamente pequeno se considerarmos os benefícios que isso vai trazer para essa comunidade", comenta. Segundo Fuad, a Prefeitura irá assinar, nesta semana, a ordem de serviço para o início de mais quatro obras do Programa de Gestão do Risco Geológico-Geotécnico.


A Vila Nossa Senhora Aparecida também vai receber uma quadra para os moradores. “Foi um pedido da comunidade para ter uma área de diversão para as pessoas”, conta Fuad. A área era um ponto de deslizamentos constantes no período chuvoso. 


Na regional Venda Nova já está em andamento outra obra no Bairro Minas Caixa. As outras seis intervenções previstas para a região não ficarão prontas até o período chuvoso deste ano. A previsão é que todos os projetos do programa sejam concluídos até o fim de 2023.

Segundo Fuad, a ordem de prioridade para execução das obras acontece de acordo com o projeto. “As obras mais delicadas precisam de um projeto específico. Essas ficam para a segunda etapa, que faremos no ano que vem”, afirma.

Além de estruturas para conter o terreno e estabilizar as encostas, há obras que levarão sistema de saneamento para regiões da cidade. A infiltração de água e esgoto de forma irregular no solo é um dos problemas que acentua o risco geológico nas encostas.

O projeto é apresentado como forma de mitigar o perigo representado pelos deslizamentos de encostas na capital mineira. As intervenções, no entanto, ficarão longe de resolver o problema por completo, já que a cidade contabiliza cerca de 800 áreas com risco geológico.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade