UAI
Publicidade

Estado de Minas Montes Claros

Professoras são presas por pichação contra Bolsonaro em muro de parque

Professoras foram detidas pela Polícia Militar e levadas para a delegacia em Montes Claros; foram liberadas após assinarem termo circunstanciado de ocorrência


23/06/2022 15:37 - atualizado 23/06/2022 17:18

Foto mostra pichação em muro com a frase 'Abaixo o governo militar genocida de Bolsonaro. Morte ao latifúndio'
Muro do Parque de Montes Claros foi pichado com frase contra Bolsonaro (foto: redes sociais/divulgação)
Duas professoras, de 39 e de 43 anos, foram presas na madrugada desta quinta-feira (23/6), em Montes Claros, no  Norte de Minas, suspeitas de serem autoras de pichação contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) do Parque de Exposições da cidade.

 

“Abaixo o governo militar genocida de Bolsonaro. Morte ao latifúndio" foi frase pichada, com o uso de tinta vermelha.

 

A Policia Militar (PM) informou que, por volta das 3h, uma equipe fazia o policiamento nas proximidades do Parque de Exposições (entre a Vila Exposição e o Bairro Alcides Rabelo), quando visualizou as duas mulheres.

De acordo com o relato da PM, ao avistar os policiais, as mulheres “largaram ao solo algum objeto e passaram a andar rapidamente  (...), indo em direção à linha férrea próximo de um local já conhecido pelo comércio de entorpecentes”.

 

Ainda conforme o registro policial, as duas mulheres, ambas professoras, foram abordadas e uma delas informou que elas retornavam de uma festa e apresentou nervosismo, alegando “crise de ansiedade”. Porém, dispensou encaminhamento para atendimento médico.


Na sequência, diz o relatório, ao passar pela Avenida Geraldo Ataíde, os militares perceberam a pichação recente feita com tinha vermelha no muro do Parque de Exposições. No local, foram encontrados dois frascos de tinta e outros  materiais.

 

Logo depois, informa a PM, os policiais abordaram novamente as duas suspeitas, que foram questionadas sobre a frase pintada no muro do parque de exposições. Segundo a Polícia Militar, elas entraram em contradição, motivo pelo qual receberam  voz de prisão e foram levadas até a delegacia de plantão, para  “maiores esclarecimentos”. O material foi apreendido.

 

Conforme a Polícia Civil, as duas professoras foram liberadas após a assinatura de um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

 

NOTA DA SOCIEDADE RURAL

 

Nesta quinta-feira, a Sociedade Rural de Montes Claros divulgou nota, na qual lamenta a pichação no muro do Parque de Exposições, administrado pela entidade, que promove, de 1º a 10 de  julho, a Exposição Agropecuária Regional de Montes Claros (Expomontes). Uma das maiores feiras do interior de  Minas, a festa volta a ser promovida no sistema presencial depois de dois anos de suspensão por causa da pandemia da COVID-19.

 

“A Sociedade Rural de Montes Claros lamenta o ocorrido e tomará as devidas providências para reparar os prejuízos provocados no muro do Parque de Exposições João Alencar Athayde, desejosa de que ações como esta não se repitam, já que configuram crime”, diz a nota.

 

A entidade destaca  que “enaltece a atuação pontual da Polícia Militar em defesa da preservação da ordem pública, protegendo o cidadão e os bens públicos e privados e coibindo ações de ameaças à integridade do produtor rural, do presidente da República e da sociedade como um todo”.

  

A assessoria da Sociedade Rural de Montes Claros informou ainda que na tarde desta quinta-feira seria providenciada a limpeza do muro pichado pelas duas suspeitas. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade