UAI
Publicidade

Estado de Minas PROBLEMA HISTÓRICO

Enchentes: BH e Contagem vão receber R$ 178 milhões para obras

Acordo entre as prefeituras dos municípios e o governo de Minas Gerais prevê a construção de três bacias para evitar alagamentos na Avenida Tereza Cristina


09/05/2022 14:51 - atualizado 09/05/2022 16:42

Avenida Tereza Cristina, em BH
Avenida Tereza Cristina, em BH, convive com enchentes e alagamentos constantes (foto: Leandro Couri/EM/DAPress)
O governo estadual e as prefeituras de Belo Horizonte e Contagem oficializaram, na manhã desta segunda-feira (9), o repasse de recursos para a realização de obras de contenção que irão evitar inundações na Avenida Tereza Cristina, no limite entre a capital mineira e Contagem.

O acordo, homologado em maio de 2021, prevê a construção de três bacias de contenção de enchentes no Córrego Ferrugem, um dos afluentes do Ribeirão Arrudas. Para isso, o governo de Minas Gerais vai destinar R$71 milhões para a PBH e R$ 107 milhões para a Prefeitura de Contagem.

As obras da bacia Vila Esporte Clube, na região Oeste de BH, aguardavam, desde o ano passado, o aporte do Estado para dar sequência ao empreendimento. Ao todo, o projeto irá custar R$85 milhões aos cofres públicos, sendo R$ 71 milhões destinados pelo Estado e R$14 milhões de contrapartida da PBH. Segundo o Governador do Estado, Romeu Zema, as prefeituras já receberam metade da verba e o restante deve ser enviado nesta semana.

A execução do empreendimento, que ocupa uma área de cerca de 40 mil metros, deve levar cerca de dois anos. "Não fica pronto para as próximas chuvas, mas essa já é resolução de um problema de mais de 30 anos, que traz altos custos para os cofres da prefeitura e também para a vida das pessoas", declarou o prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman. Segundo ele, o edital para retomada das obras deve ser aberto em até uma semana.

Com as intervenções, a expectativa é minimizar os estragos causados na Avenida Tereza Cristina justamente por conta do transbordamento desse córrego. A Prefeitura de BH também prevê a construção de um parque linear, na Vila Madre Gertrudes, também na região Oeste da capital. "Nós temos feito obras de contenção de enchentes em diversas regiões da cidade, por exemplo na Vilarinho. Intervenções que nunca foram feitas antes. Esse é o nosso principal desafio", afirma o prefeito de BH.

Para Contagem serão repassados R$107 milhões para as intervenções das bacias nas vilas PTO e Itaú, sendo R$7 milhões de contrapartida do município. "Essa é a realização de um sonho. Iremos executar isso o mais rápido possível", declarou a prefeita de Contagem, Marília Campos (PT).

Ela também destaca o início das obras da bacia do Rio Volga, no bairro Riacho. "As obras iniciam amanhã (10/5). Essa é uma das medidas que irão ajudar a conter os alagamentos e transbordamentos dos córregos que compõem a bacia do Arrudas", comentou. Iniciada há mais de dez anos pelo governo estadual, a obra ficou parada e só retomou à execução após uma parceria com a Prefeitura de Contagem.

Juntas, as bacias terão a capacidade de represar mais de 755 mil metros cúbicos de água das chuvas. "Enchente já virou rotina no nosso Estado. Isso é inadmissível. Além de resolver o problema das inundações, as obras vão gerar empregos e movimentação econômica", afirmou o Governador do Estado de Minas Gerais, Romeu Zema.

Ao todo, o Estado vai destinar R$ 298 milhões para a contenção de enchentes, recurso proveniente do Termo de Reparação assinado com a Vale após o rompimento da barragem em Brumadinho, em 2019. O governo estadual ficará com o restante das verbas (R$ 120 milhões) para construção das habitações populares e indenizações às famílias que já foram removidas dos locais onde serão realizadas as intervenções.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade