UAI
Publicidade

Estado de Minas VAI AUMENTAR

Saneouro começa a cobrar conta de água a partir de dezembro em Ouro Preto

Com 90% dos hidrômetros instalados e menos de 1% do esgoto da cidade tratado, moradores vão ter que desembolsar de R$ 90 a R$ 110; antes, a taxa única era R$ 22


30/11/2021 17:24 - atualizado 30/11/2021 21:55

Funcionário com a mão no hidrômetro
A procura pela tarifa social na Saneouro ainda é muito baixa (foto: Saneouro/Divulgação)
As contas de água começam a chegar a partir de dezembro em Ouro Preto, na Região Central de Minas Gerais. Com 90% dos hidrômetros instalados e menos de 1% do esgoto da cidade tratado, os moradores da cidade histórica vão ter que desembolsar de R$ 90 a R$ 110 reais, em média, segundo a Saneouro.
Antes da cobrança, a população, comércio e indústria pagavam uma taxa única de R$ 22. A mudança veio a partir da assinatura do contrato que transferiu a prestação de serviço de água e esgoto, que era público, para a iniciativa privada, e a Saneouro terá direito de concessão durante 35 anos.
 
Segundo o superintendente da empresa, Cleber Ribeiro Salvi, a cobrança está prevista no contrato de concessão entre a Saneouro e a prefeitura de Ouro Preto, que diz que após 90% dos usuários hidrometrados, os clientes que já receberam quatro comunicados com a simulação da fatura por consumo terão a cobrança efetivada.
 
Ouro Preto, em seus 310 anos, nunca cobrou conta de água dos usuários. Havia uma taxa fixa e única, independentemente de ser indústria, comércio ou moradia.

Com isso, a Saneouro criou uma simulação do valor após a instalação dos hidrômetros. O objetivo foi dar ao usuário uma média dos valores que virão a ser pagos.
 
Nessa fase 17.842 mil endereços já poderão começar a receber as contas a partir de dezembro – foram hidrometrados e já receberam quatro simulados.

Segundo a Saneouro, este número está em avaliação pela Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento Básico de Minas Gerais (Arisb) e pela prefeitura de Ouro Preto e será confirmado após a aprovação desses órgãos.

“A partir daí, quem tiver quatro meses de simulados começarão a pagar a conta”.
 

Tarifa Social

Ouro Preto tem cerca de 20 mil residências e 4 mil famílias têm o Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), sendo que apenas 1.500 dessas famílias de baixa renda serão contempladas com a tarifa social da Saneouro.

Os dados fazem parte do relatório enviado ao Ministério Público de Minas Gerais, após a conclusão da CPI que investigou se houve irregularidades no processo de licitação que permitiu à Saneouro a concessão do serviço.
 
De acordo com o superintendente, apenas 12 famílias procuraram os postos de atendimento da empresa para obter a Tarifa Social.

Para ser incluído no auxílio, é necessário se enquadrar em alguns requisitos definidos na Lei Municipal 1.126/2018, que regula os serviços de saneamento:
 
O morador deve estar classificado na tarifa residencial e ser inscrito no CadÚnico, com a renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo nacional;
 
O consumo médio de energia elétrica deve ser de até 100Kwh/ por mês;
 
Após a hidrometração, o consumo não poderá exceder a 20m³ de água.
 
“Se o cliente se enquadra nos requisitos exigidos pelo benefício da Tarifa Social e não está inscrito em nenhum dos programas sociais do governo federal, deve procurar a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Ouro Preto e verificar os procedimentos de adesão”.
 

Cobrança sem mudança a curto prazo

A Saneouro venceu a licitação em 2019 e a partir de 2020 a empresa – composta pelos acionistas da MIP Engenharia e da GS Inima Brasil, controlada pela GS E&C, braço do quinto maior conglomerado empresarial da Coreia do Sul – será responsável em proporcionar tratamento de água e esgoto, bem como fazer a cobrança pelos serviços.
 
Durante os quase dois anos, a empresa ainda permanece com 0,67% do esgoto tratado – apena o distrito de São Bartolomeu possui uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), criada antes da entrada da Saneouro na cidade.
 
O superintendente afirma que tratar o esgoto da cidade é um dos grandes desafios da empresa e que de acordo com o contrato de concessão de 35 anos, as metas relativas ao esgotamento sanitário vai atender os prazos especificados.
 
Segundo a Saneouro, em relação à coleta de esgoto, está previsto no contrato para até sete anos que 75% dos domicílios urbanos tenham o serviço de coleta, e em 15 anos que 90% dos domicílios ouropretanos tenham a cobertura do seviço de coleta.

O tratamento do esgoto chegará à marca de 100% dos domicílios até cinco anos, contados a partir da data de conclusão dos serviços de coleta.
 
“Já para 2022, está prevista a construção da Estação de Tratamento de Esgoto que elevará o índice de tratamento do esgoto no município para 40%”, promete.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade