UAI
Publicidade

Estado de Minas ÔNIBUS

Pesquisa: moradores de BH apoiam greve dos motoristas e reprovam sistema

Para 34%, empresas de ônibus têm culpa exclusiva pela paralisação, mas outros 37% dividem a responsabilidade entre viações, trabalhadores e sindicatos


26/11/2021 17:45 - atualizado 26/11/2021 18:13

Ônibus circulam pelo centro de BH após greve ser suspensa
Motoristas de ônibus que rodam por BH cruzaram os braços no início da semana (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
A greve dos motoristas dos ônibus que circulam em Belo Horizonte, ocorrida nesta semana, conseguiu o apoio de 64% dos habitantes da cidade. É o que aponta pesquisa do Instituto Opus, encomendada pelo Estado de Minas. Ainda segundo o levantamento, 68% reprovam o sistema de transporte. Para os participantes, as empresas responsáveis pelos coletivos, os condutores e os sindicatos envolvidos são, igualmente, os principais culpados pela paralisação. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (26/11).

No que tange a simpatia ao movimento grevista, apesar do alto índice de apoio, outros 23% declararam contrariedade à ação, ocorrida entre as primeiras horas de segunda-feira (22) e o fim da tarde de terça (23). Catorze por cento não souberam opinar. A aprovação do sistema, por sua vez, se restringe a 26%. A abstenção foi de 6%.

Na avaliação do transporte público belo-horizontino, há grande rejeição: para 34%, o sistema é péssimo; avaliações ruins são 20%. Chama a atenção, ainda, o baixo percentual de cidadãos que consideram o sistema ótimo: apenas 1%. Para outros 12%, o serviço prestado é bom; outros 13% creem que o modelo é de regular para positivo enquanto 14% acreditam ser de regular para negativo. Houve 6% de abstenção.

Os 'culpados' pela greve


Quando questionados sobre as responsabilidades pela greve, 37% dos participantes dividiram o passivo entre as viações, os profissionais e as entidades de classe. Apesar disso, 34% atribuíram a culpa exclusivamente às empresas. Os sindicatos foram citados por 17%; os motoristas, por outros 4% - fora 8% de abstenção.

Conforme os dados obtidos, 60% dos moradores de BH não foram afetados pela paralisação. Desses, 45% sofreram com atrasos e dificuldades de locomoção. Para 25%, foi preciso faltar ao trabalho.

O Instituto Opus perguntou, ainda, sobre a forma como o prefeito Alexandre Kalil (PSD) se portou ante a greve: a postura foi reprovada por 28% e aprovada por 25%, mas 47% optaram por não responder à indagação.

A pesquisa


Para construir o levantamento, foram feitas entrevistas presenciais em todas as nove regionais de Belo Horizonte. Trezentas pessoas participaram da pesquisa. Os dados foram coletados entre ontem e esta sexta. A margem de erro é de 5,8%.

"As 300 entrevistas foram divididas proporcionalmente à população das regionais. Dentro das regionais, foram sorteados locais com probabilidade proporcional ao tamanho. Quanto maior a localidade, maior a chance de ser sorteada", explica Matheus Dias, diretor do Opus.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade