UAI
Publicidade

Estado de Minas PRESTAÇÃO DE CONTAS

Estado deve quase R$ 72 milhões à Saúde de Uberaba, diz prefeitura

Secretaria Municipal de Saúde da cidade no Triângulo Mineiro apresentou relatório com rombo nesta quarta-feira (29/9); governo afirma que estuda cronograma


30/09/2021 20:53 - atualizado 30/09/2021 21:25


Hospital Regional José Alencar, em Uberaba
Da dívida de R$ 71,6 milhões do Estado com a Saúde de Uberaba, R$ 36,3 milhões são referentes ao Hospital Regional José Alencar (foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação)
Um relatório da Secretaria de Saúde de Uberaba, apresentado nesta quarta-feira (29/9) aos vereadores durante audiência pública virtual, afirmou que o governo do estado tem uma dívida com a área de Saúde da cidade de R$ 71,6 milhões. Este valor foi acumulado no período de janeiro de 2020 até agosto deste ano. Desse montante, R$ 36,3 milhões são do Hospital Regional José Alencar, ou seja, pouco mais de 50% do débito.
 
 
Além disso, o relatório mostrou que, apesar de o HR atender pacientes de dezenas de cidades do Triângulo Sul, apenas sete prefeituras estão repassando verba para o custeio do HR: Água Comprida, Campo Florido, Conquista, Planura, Sacramento e Veríssimo, que contribuem com R$ 64.564,33 por mês para a manutenção do hospital. Já Uberaba entra com um montante mensal de R$ 500 mil para o custeio da estrutura, enquanto R$ 1.633.085 vem do governo federal.  
 
O relatório da Saúde de Uberaba também divulgou que, de maio a agosto, o total de receitas para a área foi de R$ 130,6 milhões. Do montante, R$ 49,7 milhões vieram do governo federal (38,08%), R$ 20,1 milhões (15,44%), do estado, e R$ 60,4 milhões (46,32%) foram recursos próprios do município. Houve ainda quase R$ 216 mil (0,17%) em repasses de outras prefeituras da macrorregião.
 
Ainda conforme o relatório, a despesa acumulada no ano na área de Saúde de Uberaba chega aos R$ 224,5 milhões, sendo R$ 126,6 milhões para atendimentos de média e alta complexidade.


Outro lado

Por meio de nota, o governo de Minas afirmou que busca um acordo para um cronograma sobre os repasses em atraso. Leia na íntegra:

"O Governo de Minas informa que continua em busca de um acordo para apresentação de cronograma de pagamento de todos os repasses em atraso relacionados aos convênios de saúde com as prefeituras mineiras. A proposta foi elaborada e os critérios jurídicos ainda estão em fase de finalização por parte da Advocacia Geral do Estado (AGE). Assim que os trâmites forem concluídos, o Estado apresentará a proposta para realizar a assinatura do acordo."
 
Recursos para o enfrentamento da COVID foi de quase R$ 2 bilhões
 
Ainda conforme os dados divulgados na audiência, os recursos destinados ao enfrentamento da COVID-19 em Uberaba, entre janeiro e agosto deste ano, foram de R$ 1,960 bilhões.
 
O relatório apresentou também o detalhamento da vacinação no município.
 
A cidade realizou 32.350 imunizações em maio, 47.884 em junho, 86.345 vacinas aplicadas em julho (mês que mais vacinou) e outras 72.996 no mês de agosto.
 
Os números mostram que o total de pacientes com COVID regulados vem caindo de forma acentuada. Em maio, foram 390, passando para 239 em junho, 139 em julho e 112, em agosto. Já os pacientes regulados na UTI com COVID, o número passou de 69 em maio, para 39 em junho, 26 em julho e 13 em agosto.
 
A taxa de ocupação de leitos COVID também caiu, sendo que em maio, a ocupação de UTIs chegou a 90%, número que em agosto baixou para 52%. Nas enfermarias, a situação é semelhante, passando de 80% em maio para 26% em agosto.
 
O documento traz ainda as investigações de surtos de COVID na cidade, sendo a maior parte registrada em estabelecimentos privados.
 
“Foram investigados 185 estabelecimentos de maio a agosto, com 114 surtos descartados, sendo 93 em estabelecimentos privados e 21, em estabelecimentos públicos. Dos 71 surtos positivos confirmados, 20 foram em estabelecimentos públicos e 51 em estabelecimentos privados”, diz nota da Secretaria de Saúde de Uberaba.
 
Uberaba investiu R$ 62,5 milhões na Assistência de Média a Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar, no quadrimestre compreendido entre maio e agosto, o que corresponde a 50,95% de todo o investimento em saúde no período (R$ 122,7 milhões).
 
A média e alta complexidade incluem tratamentos como cirurgias e tratamentos clínicos especializados. Nesse campo, estão também investimentos no Hospital Regional.


 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade