UAI
Publicidade

Estado de Minas GREVE SANITÁRIA

Aulas presenciais em Ouro Preto são recomendadas pelo MP, mas não ocorrem

Por recomendação do MP, aulas em Ouro Preto deveriam retornar nessa segunda-feira (13/9), mas greve sanitária impediu o retorno


15/09/2021 19:07 - atualizado 15/09/2021 19:26

Sindicato afirma que 31 escolas públicas aderiram à greve sanitária e cinco unidades estão interditadas pela Vigilância Sanitária
Sindicato afirma que 31 escolas públicas aderiram à greve sanitária e cinco unidades estão interditadas pela Vigilância Sanitária (foto: Ane Souz/Arquivo pessoal)
Mesmo com a adesão à greve sanitária com cerca de 90% dos servidores municipais da educação e 75% dos pais contrários ao retorno das aulas presenciais, as escolas de Ensino Infantil de  Ouro Preto  abriram os portões nesta quarta-feira (15/9).
 
De acordo com a prefeitura, uma recomendação do Ministério Público estabeleceu a revogação de um decreto municipal sobre o fechamento das escolas e determinou que a prefeitura adotasse medidas de retorno às aulas. Em caso de descumprimento, a gestão seria alvo de ação judicial.
 
De acordo com a secretaria de Educação, os servidores da educação infantil que não aderiram à greve sanitária retornaram às escolas nessa segunda-feira (13/9) e as aulas híbridas teriam início no dia seguinte, ontem, o que não aconteceu.
 
De acordo com Sindicato dos Servidores e Funcionários Públicos Municipais de Ouro Preto (Sindsfop), os portões das escolas abriram, mas não teve aula presencial e, mesmo com a greve, os professores vão manter as aulas de forma remota.
 
Ouro Preto tem 45 instituições de ensino que atendem alunos da educação infantil, fundamental e Educação Jovem adulto (EJA) - e conta com 800 servidores.

De acordo com o Sindsfop, 31 instituições públicas de ensino (entre escolas municipais, creches e EMEI’s) estão sem ou com pouco efetivo de profissionais. “Algumas abriram, mas não tiveram aula nem ontem e nem hoje”, afirma o presidente do sindicato, Leandro Cardoso.
 
Além disso, segundo Cardoso, estão interditadas pela Vigilância Sanitária as creches municipais Pedro Aleixo e Padre Rocha; a Escola Municipal São Sebastião; a EMEI Bernadina Quiroz Carvalho de Zumbi e o Berçário I da Creche Municipal Naná Sette Câmara.
 
“Esses locais nem abriram ontem e nem hoje, não tem como arrumar outro prédio para alocar os alunos e servidores”, alega.
 
Segundo a Secretaria de Educação, antes do retorno, os pais - e responsáveis - dos 7.270 alunos matriculados na rede pública receberam um questionário com o objetivo de identificar a quantidade dos alunos dispostos ao retorno das aulas presenciais. Foram respondidos 3.297 e apenas 25% foram a favor do retorno.
 
Na educação infantil, 413 pais dos pequenos manifestaram vontade de retornar presencialmente e, no Ensino Fundamental do 1° ao 9° ano, foram 714 votos favoráveis.
 

Negociações

 
O presidente do sindicato afirma que se reuniu com os promotores do Ministério Público de Ouro Preto na última sexta-feira (10/9) na tentativa de que órgão ajudasse nas negociações com o Executivo. Na ocasião, Cardoso apresentou à promotoria três demandas que os trabalhadores consideram importantes para o retorno seguro das atividades presenciais.
 
“É necessário para o retorno de forma segura: uma melhoria da estrutura física das escolas e creches; que os equipamentos de proteção individual - como máscaras e álcool em gel - atendam todos os servidores; e que exista um aumento da frota do transporte público para atender a população. Caso contrário, ficarão mais lotados com o retorno”, afirma.
 
De acordo com a prefeitura, as escolas estão equipadas com kits contra a COVID-19, com máscaras, álcool em gel, termômetro para alunos, professores e funcionários da comunidade escolar.
 
A secretária-adjunta de Educação, Deborah Etrusco, afirma que a princípio o retorno se dará em três horas dentro do espaço escolar, para garantir tempo de assepsia entre os turnos. As aulas serão de segunda a sexta e há a possibilidade dos alunos do Ensino Fundamental, com retorno previsto para o dia 5 de outubro, serem divididos por bolhas.
 
Diante da baixa adesão de servidores e de alunos, a secretária-adjunta de Educação marcou uma reunião com outras secretarias nesta quarta-feira (15/9) para verificar a situação do retorno presencial.
 
“Amanhã agendamos reunião com o sindicato e os promotores do Ministério Público de Ouro Preto para iniciar as tratativas diante da notificação de greve sanitária”, finalizou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade