UAI
Publicidade

Estado de Minas ABASTECIMENTO

Poços e nova adutora podem ser alívio a sistema Copasa no Rio das Velhas

Fruto de acordo com o MP, as novas alternativas de abastecimento com poços e adutora reforçam a segurança hídrica da Grande BH e poupam o Rio das Velhas


12/08/2021 08:09 - atualizado 12/08/2021 09:14

Estação de Tratamento de Água de Bela Fama pode ter pressão por captação aliviada(foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
Estação de Tratamento de Água de Bela Fama pode ter pressão por captação aliviada (foto: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
Um sistema de poços a ser perfurado e uma nova adutora interligada à Estação de Tratamento de Água (ETA) Bela Fama, em Nova Lima, devem trazer mais segurança hídrica à Grande BH e alívio ao Rio das Velhas.

As medidas de reforço da captação e tratamento serão implementadas pela Mineradora Vale em acordo com o Ministério Público Estadual (MP), com interveniência da Copasa, do Estado de Minas Gerais, da empresa Aecom e da AngloGold Ashanti, em aditivo ao Termo de Compromisso que trata sobre o abastecimento de água da Grande BH, a ser avaliado para homologação judicial.

Devido à estiagem e às condições de degradação ambientais, a Copasa precisou reduzir a sua captação de 6,5 para 6 metros cúbicos por segundo (m3/s) no manancial. A vazão atual é crítica, em 9,3 m3/s, de acordo com a Copasa.

Não chove na Grande BH há 73 dias. Desde 28 de julho de 2021, o Rio das Velhas se encontra em estado de alerta pela baixa vazão. O rio responde por cerca de 60% do abastecimento da região. O Sistema Paraopeba praticamente atende ao restante e opera atualmente com 80,5% de capacidade, segundo dados da Copasa.

Entre elas está a perfuração de poços e a interligação dos mesmos ao sistema da Copasa, em Sabará, a construção de uma nova adutora para abastecer a Estação de Tratamento de Água (ETA) Bela Fama da concessionária, em Nova Lima, e uma série de ações para garantir mais tempo de autonomia para 32 usuários essenciais da região, como escolas e hospitais.

As ações têm como objetivo reforçar a segurança para o abastecimento dos municípios que podem ser impactados em eventual suspensão da captação da ETA Bela Fama, localizada no rio das Velhas.

Em Sabará, a previsão é a implantação de oito a 10 poços. Com profundidade de 300 a 450 metros, os poços terão capacidade para suprir o abastecimento de 200 l/s ao município, mesma vazão ofertada atualmente pela ETA Bela Fama. A alternativa foi identificada como a mais eficiente tendo em vista seu potencial hidrogeológico. A utilização da área também levou em conta a proximidade com a adutora da Copasa, com a qual os poços serão interligados.

(foto: Editoria de Arte)
(foto: Editoria de Arte)
Também será construído um sistema de captação para abastecer a ETA Bela Fama da Copasa. Esse sistema irá captar a água armazenada na barragem de Cambimbe, que é de propriedade da AngloGold Ashanti, e direcioná-la, por tubulação, numa extensão aproximada de 4 quilômetros, até a ETA Bela Fama.

A vazão a ser captada pelo sistema será capaz de abastecer cerca de 89 mil habitantes, sendo a totalidade do município de Raposos e parte de Nova Lima, atualmente abastecidos pela ETA Bela Fama. “A utilização da barragem se mostrou estratégica em razão de sua proximidade com a estação da Copasa”, informou a Vale.

Para os usuários essenciais, serão implantados ou reativados reservatórios ou perfurados poços tubulares, incluindo as adequações necessárias, considerando a capacidade de reservação e a disponibilidade física de cada usuário. O objetivo é garantir uma autonomia de pelo menos 72 horas de água em cada caso.

A ETA Bela Fama da Copasa recebeu uma barreira de proteção própria construída pela Vale ao seu redor. “O encapsulamento feito pela barreira é capaz de proteger o ponto de captação preservando a estrutura e seus equipamentos em caso em que haja essa necessidade”, afirma a Vale.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade