UAI
Publicidade

Estado de Minas VOLTA ÀS AULAS

Sindicato dos professores de Minas Gerais vai convocar greve sanitária

Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) já havia pedido para que as famílias não enviassem os estudantes às escolas


02/07/2021 18:04 - atualizado 02/07/2021 18:31

Fachada da Escola Estadual Maria Andrade Resende. Governo de Minas anunciou retorno das aulas presenciais em regiões que estão na onda vermelha(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 27/04/2021 )
Fachada da Escola Estadual Maria Andrade Resende. Governo de Minas anunciou retorno das aulas presenciais em regiões que estão na onda vermelha (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 27/04/2021 )

Professores de Minas Gerais vão se reunir com o conselho-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) na quarta-feira (7/7), às 9h, para convocar greve sanitária em todo o estado.

O encontro será on-line. A categoria reforça ser contrária à volta das aulas presenciais por falta de vacinas contra a COVID-19. O ensino remoto deve continuar mesmo em caso de greve.


Para o sindicato, a inclusão das escolas na onda vermelha do Minas Consciente, programa de gestão da pandemia do governo Romeu Zema (Novo), é “ideológica” e sem “prudência”.

“A onda vermelha é uma situação de risco que ele (o Governo de Minas) mesmo criou. É impressionante que, já no mês de julho, não haja a prudência em relação ao retorno. Nós vimos aí uma posição ideológica e contradições”, afirma Paulo Henrique Santos Fonseca, diretor do Sind-UTE/MG.

“Os pais, as famílias, não devem enviar seus estudantes neste momento da pandemia às escolas estaduais. Os trabalhadores irão avaliar essa situação para verificar qual o enfretamento necessário para a preservação das nossas vidas e da comunidade escolar. Vimos uma série de dados vazios”, completa Paulo Henrique.

Ainda de acordo com o Sind-UTE/MG, o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, apresentou na ocasião dados sobre a mortalidade da virose em pessoas acima dos 60 anos em Minas.

Mas, como esse não é público-alvo das escolas estaduais, a categoria criticou o critério do secretário.

Como será a volta?

A decisão do Comitê Extraordinário COVID-19 é pelo retorno dos alunos de maneira presencial a partir de 12 de julho (uma segunda-feira). No caso das cidades na onda vermelha, apenas a educação infantil volta.

As regiões que estiverem nas ondas amarelas e verde também podem incluir o 9° ano do ensino fundamental e o 3° ano do ensino médio na mesma data.  

Apesar disso, o ensino continua de forma híbrida. Também é opcional para as famílias a decisão de permanecerem com os filhos no ensino remoto ou voltarem ao presencial.

A secretária de Estado de Educação, Julia Sant'Anna, reforçou que a retomada depende de cada município. Portanto, caso alguma prefeitura queira emitir um decreto de novas restrições, as escolas daquela região podem voltar a fechar.

Professores e toda a rede de apoio das escolas começam a retornar presencialmente para começar o planejamento de retorno já nesta segunda-feira (5/7).

Julia Sant'Anna ressaltou que esse retorno só é possível a partir do cumprimento de uma lista para assegurar a efetividade de todos os protocolos de segurança contra o novo coronavírus.

“É uma retomada extremamente segura, não há organização de qualquer escola da rede estadual se não cumprir o checklist, já preparado por cada escola. Temos 3.167 escolas com esta checagem já realizada, ou seja, 90% da nossa rede”, disse.

 
Com informações de Natasha Werneck


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade