Publicidade

Estado de Minas TRANSPORTE

População de Caeté não pagará passagem no transporte coletivo entre bairros

Projeto Tarifa Zero passará por votação na Câmara e prefeitura pediu urgência na decisão. Objetivo é de implementação já em julho


18/06/2021 11:57 - atualizado 18/06/2021 12:00

Passageiros do transporte público de Caeté poderão circular dentro da cidade gratuitamente, se projeto for aprovado na Câmara(foto: Prefeitura de Caeté/Divulgação)
Passageiros do transporte público de Caeté poderão circular dentro da cidade gratuitamente, se projeto for aprovado na Câmara (foto: Prefeitura de Caeté/Divulgação)
A população de Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), está prestes a vivenciar um projeto ousado de não pagar passagem ao andar de ônibus dentro da cidade. O prefeito Lucas Coelho (Avante), divulgou que encaminhou à Câmara Municipal o Projeto de Lei da 'Tarifa Zero', que torna gratuito o transporte público entre os bairros, sem distinção de público e abrangendo toda a extensão territorial de Caeté.


A primeira etapa do projeto vai durar seis meses e, ao fim deste período, será feita uma nova licitação para o serviço gratuito. Na negociação entre prefeitura e a Transcol, empresa que realiza o transporte público em Caeté, ficou fixado a concessão de um subsídio no valor de R$90 mil reais mensais, pelo período de até seis meses, para cobrir o déficit apresentado pela concessionária, em decorrência da queda brusca de passageiros pagantes, devido à pandemia da COVID-19.

“Por se tratar de um Projeto de Lei que autoriza o Poder Executivo a conceder subvenção econômica para o subsídio tarifário, a autorização legislativa é indispensável, tendo em vista o disposto no art. 26 da Lei Complementar n°101/00 (LRF) e na Lei 4.320/64. Portanto, posterior à homologação da Lei, daremos continuidade com o projeto, que vai se tornar uma política pública e social”, pontua nota da prefeitura que explica que o projeto foi elaborado depois de negociações e estudos, envolvendo a empresa Transcol, as secretarias de Administração, Fazenda e Procuradoria Jurídica, além do apoio dos vereadores da base de governo.

Segundo a prefeitura, foi realizado um estudo de impacto financeiro pela Secretaria de Fazenda, para que tudo fosse feito com responsabilidade fiscal, dentro das capacidades orçamentárias do município. “Por ano, este projeto vai ter um custo de mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos, mas será de relevância muito maior para os munícipes”, diz o prefeito.

Agora, o projeto segue para aprovação na Câmara Municipal. Com o pedido de urgência nesta questão, a prefeitura espera implementar já no mês de julho. “A expectativa é muito positiva, uma vez que todos os vereadores se mostraram preocupados com uma possível ausência do transporte público na cidade, diante da crise financeira atravessada pela pandemia. Por isto, esperamos que o projeto seja aprovado pela maioria, uma vez que será muito benéfico para a população caeteense” ressalta o prefeito.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade