Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

BH não vai alterar prioridade na vacinação contra COVID-19, diz secretário

'Vamos continuar seguindo a ordem, essa ordem existe por uma razão, não foi definida por acaso', afirmou Jackson Machado, secretário municipal de Saúde


27/05/2021 14:29 - atualizado 27/05/2021 14:59

Ao todo, 1.306.026 doses do imunizante foram distribuídas em Belo Horizonte(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Ao todo, 1.306.026 doses do imunizante foram distribuídas em Belo Horizonte (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
O secretário de Saúde de Belo Horizonte, Jackson Machado, afirmou nesta quinta-feira (27) que a capital mineira continuará seguindo o Plano Nacional de Imunização (PNI) sem fazer alterações de prioridade.

Algumas cidades mineiras, como Santa Luzia, na Região Metropolitana de BH, fizeram algumas mudanças, como a substituição da população carcerária por profissionais da educação e do transporte público na ordem prioritária da vacinação contra a COVID-19.

"Belo Horizonte tem se pautado no respeito às regras do Ministério da Saúde desde o início da pandemia, e não será agora que vamos sair dela. Na verdade, Belo Horizonte recebeu um quantitativo de vacinas que era previsto de acordo com o Plano Nacional de Imunização, que foi realizado no ano passado, para vacinar pessoas com comorbidades muito maior do que efetivamente cadastramos para vacinar”, iniciou a fala Jackson Machado.

“Tivemos uma sobra de 65 mil doses de vacina que estamos usando para antecipar, essas doses ainda não saíram na norma técnica do Ministério da Saúde para vacinar esses públicos, mas já antecipamos a vacinação das pessoas com deficiência permanente, as pessoas privadas de liberdade e as professoras do ensino infantil. Então, não estamos mudando, antecipando, não mudando a ordem de vacinação e vamos continuar seguindo a ordem, essa ordem existe por uma razão, não foi definida por acaso. Vamos continuar seguindo a ordem de acordo com a disponibilidade de vacinas", concluiu o secretário, durante entrevista coletiva nesta tarde, na Prefeitura de BH.

A alteração da ordem prioritária dentro do PNI vai contra o proposto pelo Ministério da Saúde e também pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A corte, inclusive, barrou em 3 de maio deste ano uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) que permitia modificações nos grupos prioritários da vacinação contra o coronavírus.

Segundo dados divulgados nesta quinta pela prefeitura, BH vacinou 782.067 pessoas contra a COVID-19, sendo que 373.847 receberam a segunda dose do imunizante. 
 
Consta no grupo dos imunizados na capital mineira: profissionais e moradores de Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs) e residências inclusivas, Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT), quilombolas e outros grupos; trabalhadores da saúde; idosos de 60 anos ou mais; forças de segurança e salvamento, forças armadas e funcionários do sistema de privação de liberdade; e pessoas com comorbidades, beneficiários do Benefício de Prestação Continuada (BPC), gestantes e puérperas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade