Publicidade

Estado de Minas 'RACHADINHA'

Polícia prende vereador e chefe de gabinete de Nova Lima

Ação da Polícia Civil e do Ministério Público de Minas Gerais investiga diversos crimes, incluindo a prática da 'rachadinha'


11/05/2021 09:47 - atualizado 11/05/2021 14:15

Policiais civis apreenderam documentos, aparelhos eletrônicos, notebooks e smartphones na Câmara Municipal de Nova Lima, Região Metropolitana de Belo Horizonte, nesta terça-feira (11/5).(foto: PCMG/Divulgação)
Policiais civis apreenderam documentos, aparelhos eletrônicos, notebooks e smartphones na Câmara Municipal de Nova Lima, Região Metropolitana de Belo Horizonte, nesta terça-feira (11/5). (foto: PCMG/Divulgação)
A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu o vereador de Nova Lima Tiago Tito (PSD) e o chefe de gabinete dele na manhã desta terça-feira (11/5). Eles são investigados no âmbito da Operação Contrato Leonino, que apura ao menos oito crimes cometidos dentro da Câmara Municipal da cidade, incluindo rachadinha (esquema em que um servidor público ou prestador de serviços devolve parte de sua remuneração a políticos e assessores). A operação foi deflagrada pela PCMG em parceria com o Ministério Público de Minas Gerais. 

Segundo o delegado Gabriel Fonseca, dentro da casa legislativa, houve apreensão de documentos, aparelhos eletrônicos, notebooks e smartphones. Os agentes cumprem mais 13 mandados em outros endereços contra assessores e um empresário da construção civil do município, supostamente favorecido em licitações fraudulentas.

Além da rachadinha (uma modalidade do delito tipificado como peculato, que consiste em desvios diversos praticados por funcionário público), os investigados são suspeitos de praticar os crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica e uso de documento falso, dispensa irregular de licitação e lavagem de dinheiro. Se condenados, podem cumprir de 2 a 12 anos de prisão. 

Fonseca explicou ainda que a Operação Contrato Leonino corresponde à segunda fase da investigação da Delegacia Especializada de Combate à Corrupção iniciada em 18 de dezembro do ano passado, também na Câmara de Nova Lima. Na ocasião, as autoridades cumpriram mandados de busca e apreensão no gabinete de outros seis vereadores. 

Na ação desta terça-feira (11/5), foram mobilizados 58 policiais civis, além do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

'À disposiçaõ das autoridades'

Procurada pelo Estado de Minas, a Câmara Municipal de Nova Lima afirmou que a instituição pretende cooperar com as autoridades durante o processo investigativo. 

"Com relação ao mandado de busca e apreensão direcionado ao gabinete do vereador Tiago Tito, na manhã desta terca-feira(11), a atual gestão da Câmara Municipal de Nova Lima reitera seu compromisso com a transparência, estando à disposição das autoridades competentes para contribuir no processo investigativo", diz a nota enviada à reportagem.






receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade