Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Após problemas, Frutal contrata nova empresa para gerir hospital

Segundo o prefeito da cidade, o Ibrapp, responsável pelo hospital municipal Frei Gabriel, vinha sendo alvo de várias críticas por parte da população frutalense


19/04/2021 16:31 - atualizado 19/04/2021 17:47

O anúncio da mudança de gestão do Frei Gabriel contou com a presença do prefeito Bruno Augusto, do vice-prefeito Jerry da Silva, das promotoras de Justiça Angélica Pollyana Queiroz de Medeiros e Daniela Campos de Abreu Serra e dos médicos Rubens dos Santos e Ricardo Emiliano Sanches, gestores do Instituto São Lucas(foto: Prefeitura de Frutal/Divulgação)
O anúncio da mudança de gestão do Frei Gabriel contou com a presença do prefeito Bruno Augusto, do vice-prefeito Jerry da Silva, das promotoras de Justiça Angélica Pollyana Queiroz de Medeiros e Daniela Campos de Abreu Serra e dos médicos Rubens dos Santos e Ricardo Emiliano Sanches, gestores do Instituto São Lucas (foto: Prefeitura de Frutal/Divulgação)
A Prefeitura de Frutal contratou o Instituto São Lucas para administrar o hospital municipal Frei Gabriel. Com o acompanhamento do Ministério Público Estadual (MPE), a rescisão do contrato com o Instituto Brasileiro de Políticas Públicas (Ibrapp) foi concretizada na última quinta-feira (15/4).

O contrato do Instituto São Lucas foi firmado em um Termo de Ajustamento de Conduta entre o MPE e a Prefeitura de Frutal, que permitiu a contratação da empresa em caráter emergencial. Inicialmente, o contrato é válido por seis meses.

O anúncio da mudança de gestão do Frei Gabriel aconteceu no final da tarde da última sexta-feira (16/4), durante coletiva à imprensa local, e contou com as presenças do prefeito Bruno Augusto, do vice-prefeito Jerry da Silva, das promotoras de Justiça Angélica Pollyana Queiroz de Medeiros e Daniela Campos de Abreu Serra e dos médicos Rubens dos Santos e Ricardo Emiliano Sanches, gestores do Instituto São Lucas.

Segundo o prefeito de Frutal, Bruno Augusto de Jesus Ferreira, desde 2017, quando o Ibrapp assumiu a gestão do Hospital Frei Gabriel, eram comuns as reclamações feitas por pacientes sobre a baixa qualidade do atendimento disponibilizado à população frutalense.

“Além disso, o Ibrapp constantemente cobrava que fosse feito um reajuste nos repasses feitos pela prefeitura todos os meses, contudo não apresentavam uma contrapartida do que seria melhorado e aperfeiçoado na gestão do Hospital.

Já era uma relação conturbada e problemática e quem acabava sofrendo com isso era o povo frutalense. Por isso, achamos por bem rescindir o contrato com essa organização social”, contou o prefeito de Frutal, que disse ainda que as negociações para que fosse feita a rescisão contratual com o IBRAPP se iniciaram desde os primeiros dias da nova gestão municipal.

Frutal tem dívida de R$ 6 milhões com o Ibrapp


“De maneira respeitosa, iniciamos as conversas para buscarmos um acordo, contudo, o Ibrapp nos apresentou que havia dívida do município para com eles de R$ 11 milhões. Fizemos uma auditoria independente e chegamos a um valor bem menor de pouco mais de R$ 6 milhões, que a prefeitura vai honrar e pagar em duas parcelas", explicou Bruno Augusto.

"A primeira parcela será usada pelo Ibrapp para pagar fornecedores e profissionais. Depois que esses pagamentos forem efetuados e apresentada a prestação de contas, que será apreciada pela Câmara e pelo Ministério Público, só então pagaremos a segunda parcela”, completou.

A promotora Daniela Campos de Abreu Serra contou que na última sexta-feira (16/4) o Ministério Público realizou uma inspeção surpresa no hospital.

“Queríamos saber como estava sendo essa transição que foi repleta de dificuldades e percalços; e chegamos a constatar inclusive que faltavam inúmeros medicamentos básicos na farmácia do hospital, que já foram repostos pelo Instituto São Lucas”, assegurou.

De acordo com a promotora Angélica Pollyana Queiroz de Medeiros, a péssima relação existente entre o Ibrapp e a gestão anterior da Prefeitura de Frutal refletia no atendimento médico que era disponibilizado para a população.

“Por isso, esperamos que essa mudança seja a guinada que a saúde pública frutalense tanto precisa. Além disso, esperamos que o município se esmere na fiscalização desse contrato para que não ocorra mau uso do dinheiro público como já ocorreu por tantas vezes na história dessa cidade”, considerou.

O médico Rubens dos Santos, gestor do Instituto São Lucas, disse que a empresa também vai ficar responsável pela gestão da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital, que em cerca de 30 dias será habilitada com dez leitos, inicialmente, voltado para atendimento de pacientes com a COVID-19.

“Contudo, serão necessárias uma série de reformas no prédio, uma equipe de engenheiros já esteve local e constatou que o fluxo de ar terá que ser individualizado para cada um dos dez leitos, também terá de ser executada uma readequação na régua de gases; toda essa parte precisará ser refeita e só então iniciaremos um processo de calibração de todos os aparelhos existentes no hospital”, declarou.

Atualmente, o Hospital Frei Gabriel conta com 21 leitos de enfermaria/COVID, sendo que, segundo o último boletim epidemiológico, 12 deles estão com pacientes. Já com relação aos moradores que precisam de leitos de UTI/COVID, oito pacientes da cidade estão internados em estado grave em hospitais situados em cidade da macrorregião de Frutal, como, por exemplo, Uberaba, Barretos e São José do Rio Preto.

Desde o início da pandemia foram contabilizados em Frutal 4859 casos positivos da COVID-19, sendo que destes 151 pessoas morreram e 4553 se recuperaram.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade