Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Governo de Minas faz alerta sobre a necessidade do uso correto de máscaras

Com a circulação das novas cepas da COVID-19 no estado, utilizar o item de proteção é ainda mais fundamental na prevenção


05/04/2021 16:04 - atualizado 05/04/2021 17:03

Uso correto de máscara ajuda na prevenção contra as novas cepas da COVID-19(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Uso correto de máscara ajuda na prevenção contra as novas cepas da COVID-19 (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
O governo de Minas Gerais reforçou, nesta segunda-feira (5/4), um alerta para a necessidade do uso correto de máscaras triplas e bem vedadas, para garantir mais proteção diante das novas cepas que circulam pelo estado. As novas variantes do vírus da COVID-19 são mais potentes e transmissíveis e, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG), estão causando o aumento dos casos, internações e óbitos. 
 
As máscaras são fundamentais para garantir a proteção individual e do próximo. De acordo com o governo de Minas: “É fundamental escolher o tipo correto da máscara e o usá-la adequadamente, cobrindo totalmente o nariz e a boca, além de seguir as recomendações de distanciamento social e uso do álcool em gel nas mãos". 
 
Há alguns meses, máscaras triplas que cobrissem totalmente a boca e nariz eram a recomendação de utilização. Entretanto com as mutações do vírus, a melhor escolha são as máscaras PFF2 ou N95. Elas têm poder de filtragem maior do que as cirúrgicas e são consideradas um Equipamento de Proteção Individual (EPI).
 
Cobrindo todo o nariz e a boca, o modelo garante maior ajuste no rosto, ficando mais firme. Além de reter as gotículas, ainda protegem os usuários dos aerossóis, que são partículas minúsculas que ficam suspensas no ar por alguns minutos.
 
Essas máscaras possuem uma versão com válvula. Esse modelo, entretanto foram proibidas pela Anvisa nos aeroportos e aviões, por exemplo, já que não filtram as partículas de dentro para fora (por causa da válvula), podendo contaminar o ambiente caso a pessoa esteja doente.
 
Apesar de recomendar as versões mais seguras, o médico infectologista da diretoria assistencial da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Flávio de Souza Lima alerta que é indispensável que outros modelos utilizados tenham, pelo menos, três camadas: "Temos muitas opções baratas e de boa qualidade, de tecido mesmo. O importante é que a máscara tenha pelo menos três camadas para aumentar o filtro do ar e seja utilizada de forma correta. Não pode haver espaço para a saída e entrada do ar livremente em nosso sistema respiratório. O distanciamento entre as pessoas também na hora de conversar é outro importante aliado na prevenção".
 
O infectologista também garante que é mito a informação sobre uso de máscara aumentar a inspiração de gás carbônico a níveis acima dos tolerados no organismo, segundo Flávio de Souza: "Não há nenhum acúmulo significativo de gás carbônico e não há prejuízo para a saúde". 
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor João Renato Faria


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade