Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Ao vivo: secretário de Saúde atualiza situação da pandemia em MG; siga

Mais de 24 mil mineiros morreram em decorrência da COVID-19; fase mais rígida de restrições vigora até 11 de abril


31/03/2021 13:50 - atualizado 31/03/2021 14:20

Fábio Baccheretti, secretário de Saúde, concede entrevista nesta quarta (31)(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Fábio Baccheretti, secretário de Saúde, concede entrevista nesta quarta (31) (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O Secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, concede entrevista na tarde desta quarta-feira (31/3). O médico vai falar à população sobre a situação da pandemia de COVID-19 em solo mineiro. Acompanhe a coletiva pelo Estado de Minas:



Com 5.767 mortes, março foi o mês mais letal da pandemia em Minas Gerais. O aumento foi de 64,5% em relação a fevereiro.

O vertiginoso avanço da doença fez o governo de Romeu Zema (Novo) colocar os 853 municípios sob as rédeas da onda roxa do Minas Consciente, fase mais dura do programa de enfrentamento à doença.

A partir de domingo (4/4), o Triângulo Norte avança à onda vermelha. Com isso, 826 cidade permanecem no nível roxo até o dia 11. Das 20h às 5h, há toque de recolher. O governo adotou o pacote de medidas para tentar diminuir a circulação de pessoas em vias públicas.

Em mais de um ano de pandemia, o estado soma 1.123.913 casos e 24.332 mortes

Contratações são esperança

O poder Executivo se debruça, também, sobre o projeto de lei, aprovado pelos deputados estaduais, que autoriza a expansão do efetivo de profissionais de saúde. O texto deve ser sancionado em breve por Zema. A ideia é chamar voluntários, designar estagiários e firmar contratos temporários com aposentados.

A Saúde estadual crê que a convocação de mais médicos, enfermeiros e trabalhadores de atividades similares pode proporcionar a abertura de novos leitos. A ausência de recursos humanos tem impedido a disponibilização de mais vagas de terapia intensiva e enfermaria.

Ex-presidente da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Fábio Baccheretti assumiu o posto no início deste mês, após Carlos Eduardo Amaral ser demitido. O antecessor é alvo de investigações que apuram possíveis irregularidades na vacinação de servidores.

O que funciona na onda roxa:

  • Setor de alimentos (excluídos bares e restaurantes, que só podem atender via delivery)

  • Serviços de Saúde (atendimento, indústrias, veterinárias etc.)

  • Bancos

  • Transporte público (deslocamento para atividades essenciais)

  • Energia, Gás, Petróleo, Combustíveis e derivados

  • Manutenção de equipamentos e veículos

  • Construção civil; Indústrias (apenas da cadeia de Atividades Essenciais)

  • Lavanderias

  • Serviços de TI, dados, imprensa e comunicação

  • Serviços de interesse público (água, esgoto, funerário, correios etc.)

Outras regras da onda roxa

  • Toque de recolher entre 20h e 5h

  • Proibição de circulação de pessoas sem o uso de máscara, em qualquer espaço público ou de uso coletivo, ainda que privado

  • Proibição de circulação de pessoas com sintomas de gripe, exceto para a realização ou acompanhamento de consultas ou realização de exames médico-hospitalares

  • Existência de barreiras sanitárias de vigilância

  • Proibição de eventos públicos ou privados

  • Proibição de reuniões presenciais

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade