Publicidade

Estado de Minas ALÉM DO LIMITE

Araxá atinge 105% de ocupação de leitos UTI/COVID

Foi necessário que equipe da Secretaria Municipal de Saúde montasse mais um leito de forma provisória e de caráter de urgência para atender a demanda


23/03/2021 09:37 - atualizado 23/03/2021 10:15

A Santa Casa de Araxá é o único hospital do município e de toda a microrregião com vagas em leitos para pacientes com a COVID-19(foto: Facebook/Reprodução)
A Santa Casa de Araxá é o único hospital do município e de toda a microrregião com vagas em leitos para pacientes com a COVID-19 (foto: Facebook/Reprodução)
Pela primeira vez, Araxá, terra natal do governador Romeu Zema (Novo), ultrapassou o limite de leitos UTI/COVID. A cidade registra neste momento 105% de ocupação. A situação só não é mais preocupante porque, ainda segundo o último boletim epidemiológico divulgado, a taxa de ocupação de enfermaria/COVID está em quase 70%.

Como a taxa de ocupação de leitos de UTI/COVID aumentou para 105% nas últimas 24 horas, foi necessário que equipe da Secretaria Municipal de Saúde montasse mais um leito de forma provisória e em caráter de urgência para atender a demanda. Desta forma, agora o Hospital Santa Casa de Araxá tem 21 leitos UTI/COVID ocupados, sendo que 16 pacientes são de Araxá, três de Perdizes, um de Ibiá, um de Campos Altos e um de Pedrinópolis.

Já a taxa ocupação dos leitos de enfermaria/COVID caiu de 88% para 69%. Dos 26 leitos disponíveis, 18 estão ocupados. Entre os pacientes, 14 são de Araxá, um de Perdizes, um de Ibiá, um Pedrinópolis e um de Santa Juliana.

A reportagem questionou a assessoria de imprensa da Prefeitura de Araxá sobre quais são as condições do novo leito de UTI/COVID que entrou em funcionamento nesta segunda-feira (22/03) na Santa Casa e se existe previsão para a abertura de novos leitos deste tipo no hospital.

Segundo nota, o leito de UTI foi montado de forma provisória e de caráter de urgência para receber esse paciente.

"É a mesma estrutura de equipamentos, insumos dos demais leitos. O município tem estrutura, equipamentos e insumos para implantar leitos de UTI em caráter de urgência para atender a demanda, mas faltam profissionais de saúde. No momento, não existe pacientes em fila de espera por leito. Recentemente, o número de leitos na Santa Casa foi ampliado de 10 para 20”, diz a nota.

O Hospital Santa Casa de Misericórdia é o único do município e de toda a microrregião com vagas em leitos para pacientes com a COVID-19.

Desde o início da pandemia, Araxá registrou 7.134 casos positivos, sendo que destes, 94 pessoas morreram, 6.172 se recuperaram e 868 estão em recuperação.

Primeira parte do atual boletim epidemiológico de Araxá, divulgado nesta segunda-feira (22/3)(foto: Prefeitura de Araxá/Divulgação)
Primeira parte do atual boletim epidemiológico de Araxá, divulgado nesta segunda-feira (22/3) (foto: Prefeitura de Araxá/Divulgação)


Segunda parte do atual boletim epidemiológico de Araxá, divulgado nesta segunda-feira (22/3)(foto: Prefeitura de Araxá/Divulgação)
Segunda parte do atual boletim epidemiológico de Araxá, divulgado nesta segunda-feira (22/3) (foto: Prefeitura de Araxá/Divulgação)


Lei municipal


O prefeito de Araxá Robson Magela (Cidadania) autorizou nesta segunda-feira (22/3) a Lei Municipal 7.486/2021, aprovada pela Câmara Municipal, que sanciona um protocolo de intenções com a finalidade de adquirir vacinas contra a COVID-19, medicamentos, insumos e equipamentos na área de saúde.

Há 20 dias, a Prefeitura de Araxá manifestou interesse em integrar um consórcio idealizado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP) para que municípios fechassem acordo para compra de vacinas contra a COVID-19. De acordo com a organização, mais de 1,7 mil municípios já manifestaram interesse.

Naquela ocasião, durante uma videoconferência com os municípios do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência e Emergência da Macrorregião do Triângulo Sul (Cistrisul), o prefeito de Araxá assinou o protocolo de intenção para articulação entre os 27 municípios da macrorregião.

Segundo Magela, a criação do consórcio fortalece os municípios para as negociações de vacinas com organizações internacionais, especialmente neste período de pandemia.

“É uma ação que se apresenta como possibilidade para colaborar no enfrentamento a um problema que é de todos nós, a escassez de vacinas para imunização em massa da população e, a médio e longo prazos, de outros insumos”, destacou o político.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade