Publicidade

Estado de Minas ARTE DE RUA

Painel em homenagem a Teuda Bara em BH é refeito depois de ser apagado

Pintura com o rosto da atriz do Galpão, criada em 2017 para homenagear os 120 anos da capital, tinha sido apagada. Obra foi refeita pelo coletivo Minas de Minas


08/03/2021 06:00 - atualizado 08/03/2021 18:25

Nova pintura ganhou os muros do Centro de Referência da Juventude (CRJ) no início de março, no trabalho das artistas do Minas de Minas Crew, criadoras do mural original(foto: Rodrigo Clemente/PBH)
Nova pintura ganhou os muros do Centro de Referência da Juventude (CRJ) no início de março, no trabalho das artistas do Minas de Minas Crew, criadoras do mural original (foto: Rodrigo Clemente/PBH)

O sorriso emblemático da atriz belo-horizontina Teuda Bara, de 80 anos, pintado no muro de um estacionamento da Rua Guaicurus, no Centro de BH, em 2017, pelo coletivo Minas de Minas, e apagado em 2019, tem um novo endereço. O mural de importante significado para Belo Horizonte resistiu ao apagamento e agora está estampado na parede externa do Centro de Referência da Juventude (CRJ), na esquina do Viaduto do Floresta com a Avenida dos Andradas. A inauguração oficial ocorreu nesta segunda-feira (8/3).

A odisseia do retrato de um sorriso, que foi acompanhada desde o início pelo Estado de Minas, hoje tem um final feliz, graças ao Circuito Municipal de Cultura, um projeto realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o Centro de Intercâmbio e Referência Cultural (CIRC), para a programação da semana da mulher que começa nesta segunda-feira (8/3), com transmissão nas redes sociais

“Estou muito feliz e tranquila, porque a foto voltou. E voltou maior ainda! E ainda tem eu, assim, embaixo”, descreve, sorrindo, a fundadora do Grupo Galpão, a sensação de quando viu por vídeo o grafite repintado pelas mãos de artistas que assinam como KrolNika, Musa e Viber, quatro mulheres integrantes do coletivo As minas de Minas que quebram a barreira cultural Rio-São Paulo e levam a arte de rua belo-horizontina para âmbito nacional. 

 
 

Um sorriso para celebrar

Em fevereiro de 2017, a convite do Estado de Minas, a atriz Teuda Bara, fundadora do Grupo Galpão, foi conhecer o grafite que a homenageou no Centro de Belo Horizonte como parte da comemoração dos 120 anos da capital.

Segundo Nika, o coletivo foi criado para suprir a necessidade de uma união das mulheres da arte de rua para poder inspirar outras mulheres a também ocupar os espaços. “A gente retrata mulheres que estiveram ocupando os espaços que elas gostariam de ocupar, independentemente de toda a imposição dos padrões da sociedade, de toda luta que elas tiveram que enfrentar diante de tanto preconceito”, afirma a artista.

O primeiro mural foi apagado com tinta preta em 2019 pelo proprietário do estacionamento no qual foi pintado. A artista Krol acredita que a falta de um acordo oficial que assegurasse a permanência do grafite no muro foi um dos motivos de ele ter sido apagado após um ano e meio de ter sido pintado. “A gente não tinha nenhum vínculo em relação à documentação que ele deixaria”, menciona a grafiteira, decepcionada. 

O painel original com a imagem de Teuda Bara na Rua Guaicurus foi apagado em 2019 pelo dono do imóvel(foto: Facebook/Reprodução)
O painel original com a imagem de Teuda Bara na Rua Guaicurus foi apagado em 2019 pelo dono do imóvel (foto: Facebook/Reprodução)

 
Segundo Viber, quando o artista de rua entrega sua obra de arte para a cidade, ela já está fora do seu domínio, por isso já é esperado que as pinturas sofram intervenções, como ser apagada ou destruída.

“O que nos preocupa mais é quando a reclamação vem com cunho de preconceito, seja para com o artista, seja para com a obra. No final, a gente sabe que pode ficar a cargo da Justiça, mas nós entendemos que que é doloroso e, independentemente de quem faça, é uma arte e ela não deveria ser apagada”, declara outra artista, que também integra o coletivo As minas de Minas. 

Semana da mulher 

A pintura do segundo painel com a imagem do sorriso de Teuda Bara é o início da programação (veja abaixo) da semana da mulher, do Circuito Municipal de Cultura, que vai de 8 a 12 de março. O projeto aproveita o Dia Internacional da Mulher para trazer atrações on-line e gratuitas que evidenciam a potência feminina em diferentes linguagens artísticas, tais como o grafite, o audiovisual, a música, o cinema e a literatura. 

Segundo a diretora de Promoção das Artes da Fundação Municipal de Cultura, Aline Vila Real, essa proposta já é gestada há algum tempo, em parceria com o Movimento Gentileza. “A ação representa muito bem essa força coletiva, essa força das mulheres, e pautando a arte, a cultura na cidade. Como uma ação de beleza, de força e de resistência”, afirma Vila Real. 

Circuito Municipal de Cultura/Programa Semana da Mulher

Programação de 8 a 12 de março

8/3 - Segunda-feira - 19h
Dia da Mulher - Janelas Urbanas: Lançamento Virtual “Nós Podemos Tudo!”, Minas de Minas Crew

9/3 - Terça-feira - 19h
Bate Papo Delas: Mulheres no Graffiti
Carolina Jaued convida Prisca Paes

10/3 - Quarta-feira - 19h
Circuito Cine Clube: “Obreiras” (2019)
Direção: Ana França, Gabriela Albuquerque e Isadora Fachardo

11/3 - Quinta-feira - 19h 
Lançamento virtual livro “Colmeia - Poemas Reunidos”, Mel Duarte (SP)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade