Publicidade

Estado de Minas COVID-19

COVID-19: rede particular tem aumento de casos suspeitos e confirmados

Levantamento em 118 hospitais privados mostrou que novembro de 2020 bateu recorde de atendimento e internações


24/02/2021 18:47 - atualizado 24/02/2021 21:01

Hospitais privados registram aumento de atendimento e internação em novembro de 2020(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Hospitais privados registram aumento de atendimento e internação em novembro de 2020 (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Um levantamento feito em 118 hospitais particulares do país e divulgado nesta quarta-feira (24/02) apontou que a rede privada registrou, nos últimos meses, um aumento no número de casos suspeitos e confirmados de COVID-19. Segundo a pesquisa da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), as taxas estavam diminuindo em junho, mas bateram recorde no mês de novembro de 2020.
 
De acordo com o levantamento, os 118 hospitais avaliados tiveram resultados crescentes no número de pacientes atendidos com suspeita e internação por COVID-19 a partir de outubro, quando uma segunda onda começou a assombrar o cenário da doença no Brasil
 
Desde junho os indicadores estavam em queda, passando por 13,9% dos pacientes atendidos nas unidades em setembro, mas bateram recorde em novembro, com 20,8% de pacientes atendidos na urgência e emergência de hospitais particulares com suspeita de COVID-19. A taxa de suspeitos e diagnósticos positivos pulou de 30,5% em outubro para 35,4% em novembro. 
 
No mês de dezembro, os valores foram ainda maiores, com 41,2%, taxa muito próxima à registrada ao pico da pandemia, em junho (41,5%). Apesar dos altos números, a ocupação dos leitos apresentou uma queda de mais de 9 pontos percentuais, em relação à 2019, passando de 77% para 67,7% em 2020.
 
Segundo a pesquisa, isso aconteceu principalmente pelo adiamento das cirurgias eletivas e o medo de procurar atendimento hospitalar na pandemia. Por isso, a internação por outras doenças manteve estabilidade ou sofreu diminuição. A única taxa que aumentou, foi de doenças infecciosas, categoria que se encaixa a COVID-19.
 
Ao longo de 2019, das internações gerais, apenas 3% foram por doenças infecciosas. Em 2020, o número dobrou, chegando a 6,4%. Doenças nos aparelhos respiratório, digestivo, circulatório e nervoso, apresentaram diminuição. 
 
A Anahp reforçou que apesar da pandemia, é importante que a população mantenha os cuidados com a saúde, já que o adiamento de consultas, exames e procedimentos podem causar grandes problemas, mas um diagnóstico e tratamento precoce podem ser mais efetivos. 

Em BH, aumento na demanda também foi sentido 

Em dezembro de 2020, a rede particular em Belo Horizonte apresentou 40% mais leitos ocupados que o SUS, o que  provocou até falta de vagas para internação de pacientes com COVID-19 na cidade. 
 
Grandes hospitais particulares da capital confirmaram o aumento na demanda e chegaram a tomar algumas medidas para assegurar o atendimento de forma adequada. Na época, a Rede Unimed, uma das maiores de BH, suspendeu as cirurgias eletivas do dia 22 de dezembro até 17 de janeiro, como medida de enfrentamento. 
 
O boletim epidemiológico da Unimed no dia 20/12 indicava altos números de pacientes confirmados, que cresceram dois meses depois. No balanço divulgado nesta terça-feira (23/02), foram 16.306 casos a mais que dezembro. 
 
Em nota, a Unimed afirmou que bateu recorde em atendimento nas duas primeiras semanas de janeiro: “A Unimed-BH confirma que nos últimos dois meses houve um aumento do número de casos confirmados da COVID-19 em sua rede própria e também elevação na procura da consulta on-line coronavírus, que no dia 12 de janeiro de 2021 bateu seu recorde de atendimento com 2.144 consultas on-line realizadas”. 
 
“Confirmamos, ainda, que o maior pico de casos notificados e confirmados em sua rede própria ocorreu nas duas primeiras semanas de janeiro. Esse cenário foi agravado em função do relaxamento da população em relação às medidas de prevenção, especialmente durante o período de festividades e férias”, completou a nota.
 
Apesar do aumento, a rede esclareceu que todos os pacientes que necessitam de internação estão sendo atendidos: “Além dos hospitais próprios, a cooperativa conta também com uma rede de hospitais parceiros credenciados” e reforçou que o envolvimento da população com as medidas de prevenção é essencial no combate ao coronavírus.

*Estagiária sob supervisão do subeditor João Renato Faria





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade