Publicidade

Estado de Minas SONEGAÇÃO DE IMPOSTOS

Presos em Minas 13 suspeitos de comércio ilegal e milionário de couros

No total, polícias civil e militar cumpriram 47 mandados na Zona da Mata, Vale do Aço, Sul de Minas, Centro-Oeste, Norte, Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba


17/12/2020 13:04 - atualizado 17/12/2020 14:46

Confira todos os envolvidos do esquema ilegal que se iniciava em frigoríficos (foto: Renato Manfrim)
Confira todos os envolvidos do esquema ilegal que se iniciava em frigoríficos (foto: Renato Manfrim)
A Operação Segunda Pele do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriu em Minas Gerais, nesta quinta-feira (17/12), 13 mandados de prisão e 34 mandados de busca e apreensão após investigações da Polícia Civil, Ministério Público (MP) e Receita Estadual.
 
Os presos são suspeitos de fazer parte de organização criminosa que praticou sonegação tributária e lavagem de capitais, praticados no setor de comércio de couro, derivado do abate de animais.
Os mandados de busca, apreensão e prisão, cumpridos com o apoio da Polícia Militar, foram executados no Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba, Zona da Mata, Vale do Aço, Sul de Minas, Centro-Oeste e Norte do estado.
 
Segundo informações do Gaeco, foram cumpridos os seguinte mandados:

  • Patrocínio: seis mandados, sendo dois de busca e quatro de prisão
  • Campo Belo: um mandado de busca
  • Paranaíba: dois mandados, sendo um de busca e um de prisão
  • Carangola; um mandado de busca
  • Muriaé: um mandado de busca
  • Itaúna:um mandado de busca
  • Abaeté:dois mandados de busca
  • Januária: um mandado de busca
  • Uberaba:4 mandados, sendo 2 buscas e 2 prisões
  • Nova Era: 14 mandados, sendo 13 buscas e 1 prisão
  • Prata: um mandado de busca
  • Uberlândia: 11 mandados, sendo 4 prisões e 7 buscas
  • Santa Vitoria: dois mandados, sendo uma prisão e uma busca.

 
Coletiva à imprensa na Receita Estadual de Uberaba contou com os responsáveis pela operação de cada órgão de segurança pública de MG(foto: Renato Manfrim)
Coletiva à imprensa na Receita Estadual de Uberaba contou com os responsáveis pela operação de cada órgão de segurança pública de MG (foto: Renato Manfrim)
Durante coletiva à imprensa na manhã desta quinta-feira (17), na Receita Estadual, em Uberaba, os responsáveis pela operação de cada órgão de segurança pública falaram sobre como funcionava o esquema criminoso de sonegação fiscal. A organização criminosa adquiria couro de frigoríficos e abatedouros de animais em Minas Gerais e os vendia para outros estados, utilizando pessoas físicas e jurídicas para o não pagamento do imposto devido.
 
Segundo informações do Gaeco, o esquema criminoso causou prejuízo de R$ 62 milhões aos cofres públicos e poderá ultrapassar R$ 100 milhões após auditoria do Fisco. Os valores foram contabilizados nos últimos cinco anos.
 
Ainda segundo o Gaeco, o nome da operação faz referência ao couro, produto principal usado no esquema criminoso voltado à sonegação tributária. "O homem primitivo somente alcançou e habitou as regiões mais frias do planeta graças ao uso do couro dos animais caçados. Como uma segunda pele, o couro era usado para agasalhar, calçar e proteger do rigor do frio", diz nota do Gaeco.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade