Publicidade

Estado de Minas

Linha de fogo na Lapinha da Serra chega a 2 quilômetros de extensão

Ainda extenuados pelo trabalho de extinção do maior incêndio registrado na Serra do Cipó, brigadistas voltam à carga na trilha do Bicame, na mesma região, que sonha com as chuvas. Bombeiros e duas aeronaves atuam no local


09/10/2020 11:15 - atualizado 09/10/2020 16:56

Combate ao incêndio nas primeiras horas da manhã de hoje(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Combate ao incêndio nas primeiras horas da manhã de hoje (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


A sexta-feira começou com uma dura luta contra o fogo na Lapinha da Serra, área da Cachoeira Virgolino, em Santana do Riacho, Região Central de Minas Gerais. A esperança de acabar com o incêndio por conta da aproximação das chuvas não vingou e o sol forte e vento dificultam os trabalhos. 

“No local há uma extensa linha de fogo de aproximadamente dois quilômetros, descendo sentido pé da serra onde há risco de chegar às residências que estão na região. No momento, temos 11 militares e 25 brigadistas trabalhando em conjunto com o apoio de dois Air Tractors no combate às chamas”, informou a corporação nesta manhã. 

O fogo começou um dia após extinto o maior incêndio já registrado na Serra do Cipó. As chamas agora estão em uma área já limítrofe com a Serra do Espinhaço. 

Antes do raiar do dia, a brigada voluntária da Lapinha da Serra já estava pronta para a guerra contra o fogo(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Antes do raiar do dia, a brigada voluntária da Lapinha da Serra já estava pronta para a guerra contra o fogo (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


Segundo informações apuradas pela reportagem, combatentes pediram ajuda devido à proporção do fogo em relação ao material em mãos para o trabalho. Durante toda a madrugada de ontem, brigadistas tentaram, mas foram vencidos, e as labaredas tomaram toda trilha e chegaram à Cachoeira do Bicame, um dos pontos turísticos mais paradisíacos da região, com uma queda d’água de 25 metros, mas que infelizmente permanecia tomado pelo fogo.

Brigadistas pedem socorro. Parte das equipes ainda nem pôde descansar da batalha de 10 dias na Serra do Cipó e já voltou ao combate ontem. No início da manhã, a informação era de que os combatentes agiam para evitar que as chamas chegassem ao vilarejo, para depois lutar contra as linhas de fogo que estavam nas trilhas.

Exaustos e sujos, mas aguerridos. Enquanto aguardavam reforços para ajudar a debelar um grande incêndio no Vale do Soberbo, os combatentes que atuavam na Lapinha da Serra, a maioria brigadistas voluntários, mostraram as marcas da “guerra ao fogo”, que já durava mais de 24 horas. Somente no fim da tarde de ontem, o Corpo de Bombeiros chegou para dar auxílio. A reportagem, que saiu da Belo Horizonte após o início do incêndio, chegou ao local antes dos bombeiros.
 
No entanto, o Corpo de Bombeiros afirma que foi chamado ontem, por volta das 14h, pelos funcionários do Parque Estadual da Serra do Intendente para controlar o incêndio que começou na quarta e se alastrou rapidamente.  
 
“Sempre combatemos incêndio com o que temos. Agora, temos equipamentos do parque, mas sempre resolvemos aqui do jeito que a gente sabe”, conta Djalma Domingos Ferreira, nativo da Lapinha. Ele diz ainda que ficou mais de um dia em atividade “apagando fogo com ramo de arbusto mesmo. Se o equipamento falhou ou danificou, a gente usa o que tem na natureza mesmo”. A solução, que é um consenso, seria a chegada das chuvas, que até se prenunciou ontem, mas não caiu, de fato, em intensidade suficiente.

Para Claudemir de Azevedo, meteorologista do 5º Distrito do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as precipitações podem chegar em breve à região. "A intensificação de uma área de instabilidade em São Paulo contribui para formação de nuvens e maior nebulosidade em Minas, incluindo a região da Lapinha da Serra", comentou. "Já há chances de chuva por lá até o final da semana, o que pode, sim, contribuir para diminuir os focos incêndios", completa.


 
Sem chuvas, um dos líderes dos brigadistas reuniu a equipe, que em conjunto resolveu esperar reforços para imprimir um combate mais eficaz e, principalmente, preservar a segurança desses guerreiros na tarde de ontem. “Um é a segurança do outro. O companheiro de cada um de nós vem em primeiro lugar. Um é o ombro do outro. Então, tem que olhar seu lado direito, seu ombro direito e o esquerdo. Seu companheiro tem que estar do seu lado. Contato visual, jamais se perder”, afirmou Cristiano Reis.

Ele orientou os colegas de brigada sobre a importância do trabalho em equipe durante o incêndio na Lapinha da Serra. “A nossa roupa é amarela exatamente para facilitar o contato visual. Então, se eu estiver lá em cima com qualquer um que seja, um é salvaguarda do outro. Mas vamos esperar agora a ajuda chegar, pois precisamos de equipamentos”, disse o brigadista Cristiano Reis ao Estado de Minas.
 

Santuário da flora


O parque da Serra do Espinhaço, na Região Central de Minas, tem área de 33,8 mil hectares. Cobre terras das cidades de Jaboticatubas, Santana do Riacho, Morro do Pilar e Itambé do Mato Dentro. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) administra o local desde 2007.

Com cerca de 1,6 mil espécies de plantas, a reserva é considerada um santuário da flora brasileira, sobretudo, bromélias e orquídeas. Seriemas, tucanos e maritacas são vistos com facilidade, enquanto o lobo-guará, o tamanduá-bandeira e a onça-pintada são animais ameaçados de extinção, mas estão abrigados e protegidos na região.

Castelo


Em Belo Horizonte, os bombeiros trabalharam pelo quarto dia consecutivo em um incêndio que toma conta do Parque Ursulina de Andrade Melo, no Bairro Castelo, Região da Pampulha. Durante a noite de quarta, havia apenas fumaça no local, mas uma ventania na madrugada de ontem reacendeu vários pontos de calor.

Durante todo o dia, o trabalho foi o mesmo: monitoramento de pontos onde o fogo poderia ressurgir. Os militares trabalharam para retirar da mata troncos fumegantes. Porém, no início da noite, algumas chamas voltaram a dar trabalho aos bombeiros.

"Ainda estamos com alguns pontos de reignição na Rua Castelo de São Jorge. Estamos fazendo uma linha para combater. Mais à noite, vamos arvorar o APE (combate aéreo a partir de uma escada acoplada ao caminhão dos bombeiros) para aproveitar o frio noturno. E encharcar toda essa vegetação que está dando alguma reignição", disse o tenente Pedro Ivo Nogueira Pereira, na noite de ontem. (Colaborou Cristiane Silva e Gabriel Ronan)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade