Publicidade

Estado de Minas PLANO DE RETORNO

Volta da Feira Hippie? Prefeitura discute retomada com feirantes nos próximos dias

Tradicional feira instalada aos domingos na Avenida Afonso Pena está há seis meses sem funcionar. Feirantes vão analisar proposta da PBH


14/09/2020 11:32 - atualizado 14/09/2020 14:19

(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Há seis meses sem funcionar, a tradicional Feira de Artes, Artesanato e Produtores de Variedades de Belo Horizonte, instalada aos domingos na Avenida Afonso Pena, também chamada de “Feira Hippie”, poderá retomar suas atividades em breve, já que a Prefeitura de Belo Horizonte propôs na última semana um plano de retorno que deve ser discutido com os feirantes nos próximos dias.

Em reunião com a comissão paritária dos expositores, foi apresentada uma proposta que define o funcionamento de 50% da feira com alternância dos feirantes a cada domingo “quando os índices sanitários permitirem”, aponta nota divulgada pela PBH.
 
Também de acordo com a prefeitura, a proposta, feita com base nos parâmetros de distanciamento social colocados pela Vigilância Sanitária, deve ser avaliada a partir de um senso entre a comissão e a prefeitura, para apurar quais feirantes querem retornar os trabalhos durante a pandemia. 

Há 22 anos, a família de Maria de Lourdes Jeronimo, de 62, tem uma barraca onde comercializa pelúcias. A filha dela, Carolina Stephanie Jerônimo, de 25, conta que até o momento a mãe não recebeu nenhum comunicado formal da prefeitura anunciando o plano de retomada. Como não depende exclusivamente da renda obtida na feira, a família afirma que deve pesar os prós e contras antes de pensar em voltar a expor os produtos no local, já que a matriarca pertence ao grupo de risco da COVID-19.

 “Não pretendemos voltar porque achamos que não é o momento. As pessoas não vão respeitar, elas vão estar comendo, vão estar sem máscara e o espaçamento entre as barracas é muito pequeno e fica muito cheio, muita aglomeração. Sempre tem muita gente na feira, mesmo se colocar barraca sim, barraca não, acredito que ainda vai ficar muito tumultuado”, analisa Carolina. 

Antes da pandemia, a estimativa era de que 80 mil pessoas visitassem semanalmente o local. Com cerca de 1.800 expositores e tendo como base a comercialização de artesanato e manufaturas, a feira ao ar livre da Avenida Afonso Pena, na Região Central, local que a sedia desde 1991, empregava 30 mil pessoas, direta ou indiretamente, segundo informações dos organizadores. 

Os impactos da suspensão das atividades por causa das medidas restritivas em relação ao coronavírus têm sido duros na família de Ione Moura, 53, que há 40 anos vende artesanatos na feira. Sem poder expor os produtos desde 15 de março, as vendas paralisaram e a família tÊm vivido com a renda do auxílio emergencial do governo federal e com a ajuda de uma cesta básica que recebe mensalmente da prefeitura. Por esse motivo, a notícia da possível volta das atividades foi recebida por ela com entusiasmo.

“Nós estamos precisando que volte rápido, nossa única fonte de renda é a feira. Faça chuva ou faça sol a gente estava lá.  Estou recebendo o auxílio, mas não está dando para pagar as contas. Eu preciso voltar urgente, eles estão querendo aumentar o tamanho, será um espaço bem grande e eu sempre me protegi mesmo antes da pandemia. Me sinto segura para voltar. Vou continuar me protegendo e também usando máscara”, disse Ione. 

A prefeitura agora aguarda a análise e o parecer dos expositores com relação ao atual plano de retomada. “Caso haja queda expressiva no interesse, algum outro protocolo poderá ser proposto onde seja possível o funcionamento sem a alternância", concluiu a nota.
 
* Estagiária sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade