Publicidade

Estado de Minas EM SANTA LUZIA

Crime da mala: inquérito do assassinato de mulher pelo filho é concluído

Criminoso que esquartejou a mãe tem problemas mentais; ele será indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver


11/09/2020 18:38 - atualizado 11/09/2020 19:10

Os membros e a maioria das vísceras da mulher foram colocadas numa mala e em bolsas; parte das vísceras e a cabeça foram lançados em um córrego(foto: Polícia Civil de MG/Divulgação)
Os membros e a maioria das vísceras da mulher foram colocadas numa mala e em bolsas; parte das vísceras e a cabeça foram lançados em um córrego (foto: Polícia Civil de MG/Divulgação)

A Delegada Adriana das Neves Rosa, titular da Delegacia Especializada de Homicídios em Santa Luzia, anunciou nesta sexta-feira (11) a conclusão do inquérito sobre o homem, de 30 anos, que matou e esquartejou a mãe, de 52, cujos restos mortais foram encontrados em malas e sacolas numa avenida da Região Norte de Belo Horizonte, em julho.

O homem foi preso em flagrante e, no início das investigações, chegou a informação de que ele sofria de um possível distúrbio psiquiátrico. “Foi solicitado um exame de sanidade mental e o diagnóstico é de inimputabilidade, ou seja, que ele possui doença mental e não tinha consciência da ilicitude do fato à época”, explica a delegada.

No entanto, segundo ela, o resultado do laudo de sanidade metal não interfere na condução das investigações. As apurações foram concluídas e o suspeito irá a julgamento.

A Delegada Regional Ana Paula Gontijo explica que, nesses casos, a pena é substituída por medida de segurança: “A diferença de uma pena restritiva de liberdade para a aplicação de uma medida dessas é que a primeira tem um quanto – 10, 20, 30 anos – e uma progressão de regime nesse total. Já a medida de segurança não tem tempo certo e é avaliada periodicamente”.

Com base nisso, o homem está sendo indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Segundo foi apurado, após matar e esquartejar a mãe, o filho acondicionou as partes do corpo em bolsas, malas e sacolas, limpou o local dos fatos e pagou um carreto para descartar as embalagens na rua.

O inquérito foi encaminhado para a Justiça.

A investigação


Segundo levantamento dos detetives, a ação que resultou no homicídio ocorreu num intervalo aproximado de 10 horas.

As partes do corpo da vítima foram depositadas em dois locais, sendo os membros e a maioria das vísceras descartados em via pública dentro de bolsas; e parte das vísceras e a cabeça lançados em um córrego.

Segundo a delegada Adriana Rosa, para o descarte das sacolas, o suspeito contratou serviço de carreto e acompanhou o motorista, apontando o lugar para despejá-las, uma região que fica entre Belo Horizonte e Santa Luzia.

O envolvimento do contratado para fazer o transporte das partes do corpo ou de outra pessoa no crime foi afastado.

Segundo a delegada Adriana Rosa (D), foi descartada a possibilidade de participação de terceiros no crime(foto: Polícia Civil de MG/Divulgação)
Segundo a delegada Adriana Rosa (D), foi descartada a possibilidade de participação de terceiros no crime (foto: Polícia Civil de MG/Divulgação)


“Durante os trabalhos investigativos, a equipe descartou de maneira cabal a participação de terceiros, em especial, do senhor que realizou o carreto. O filho da vítima tomou o cuidado de colocar várias roupas para absorver o sangue e impedir que qualquer cheiro diferente pudesse causar suspeita”, diz a delegada.

No inquérito consta ainda que os membros do corpo foram localizados por uma testemunha. Ela se interessou pelos objetos descartados e, ao abrir as bolsas, descobriu que eram partes de um corpo humano. Aí, acionou a polícia.

Trama macabra


Na casa da vítima, policiais encontraram um trabalho escolar com o nome da mulher e, associado a outros levantamentos, como imagens de câmeras de monitoramento, foi possível chegar ao suspeito e ao local do crime.

Já a cabeça da vítima foi encontrada dois dias depois do recolhimento dos membros, pela irmã do acusado, com a ajuda de um policial militar.

De acordo com a delegada, havia um contexto de conflito entre o investigado e a vítima, podendo o crime estar relacionado a esse fato.

A equipe também levantou que o suspeito se interessava por estudos bíblicos e encontrou registro de um ritual em que um animal era sacrificado para expiração de pecados.

“Esse ritual bíblico apresenta a metodologia de desmembrar o corpo pelas juntas e lavar as parte do animal em água corrente, e se assemelha muito a esse desmembramento e esquartejamento”, diz a delegada Adriana.

Levantamentos apontam, ainda que a que a mulher provavelmente foi morta enquanto dormia. “Não identificamos lesões de defesa na vítima”, observa a delegada.

Ela afirma ainda que o local do crime foi limpo pelo autor, que fez questão de manter a sua rotina normal, de ir à igreja todos os dias. Ele foi preso lá.

A filha da vítima chegou a estar na residência na manhã seguinte ao crime e não percebeu nada diferente, constatando somente que a mãe não se encontrava.

“Os peritos identificaram manchas de sangue em um colchão e um cobertor sobre a cama, mas outras marcas de sangue não estavam visíveis e foram encontradas com o uso de luminol. Também não havia sinais de arrombamento no imóvel”, afirma a delegada.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade